Blog do Bruno Voloch

22/08/2009

Hoje foi dia de Sassá, Thaísa e Fabiana

Sinceramente achei as críticas do técnico Zé Roberto um pouco exageradas.

Mas respeito, afinal ele é o comandante, acompanha de perto e conhece as meninas como ninguém.

Hoje o banco funcionou.

Leia-se Sassá.

Mas é exatamente isso que se espera de quem vem do banco.

Ajuda e melhora nas dificuldades.

No caso passe e um ataque mais cadenciado.

E quem espera jogo fácil ?

Eu não .

Aliás, nem mesmo Zé Roberto, principalmente ele.

Ou alguém achava que o Brasil passaria por cima da Holanda assim como fez contra a Alemanha ?

Eu não.

Tinha mesmo que ser jogo duro.

"Ganhamos" o primeiro set que foi dominado por elas e já contando com a ajuda de Sassá.

No segundo vitória justa e merecida delas até com uma certa tranquilidade.

Discussões acontecem e Mari sempre quis o melhor para o grupo.

Sem essa de querer fazer crise em cima disso.   

O terceiro chega e junto o bloqueio do Brasil.

O fundamento do jogo.

Thaísa esteve incrível anulando as principais jogadas de ataque da Holanda.

No quarto ser a Holanda esboçou uma reação mas novamente parou nas mãos de Thaísa e Fabiana.

O hoje nunca será igual a ontem, que será diferente do amanhã.

Hoje quem veio do banco, foi mais do que importante.

Foi tão fundamental quanto os 19 bloqueios de Thaísa e Fabiana

 

Por Bruno Voloch às 09h43

21/08/2009

Egito jogará mundial da Itália no ano que vem

O Egito está classificado e vai jogar o mundial masculino de 2010 na Itália.

A seleção será a segunda representante africana na competição.

A Tunísia, na semana passada, já havia conquistado uma das vagas.  

A classificação foi obtida no quadrangular com Nigéria, Marrocos e Botsuana jogado na cidade do Cairo.

A seleção do Egito venceu os três jogos que disputou por 3 sets a 0.

 

 

  

Por Bruno Voloch às 17h27

Volta Rdeonda deve entrar "pela janela" e disputar a Superliga

O Rio de Janeiro pode voltar a ter uma equipe na Superliga masculina. 

A informação vem da cidade de Volta Redonda.

Segundo os dirigentes do clube carioca, o Presidente da CBV, Ary Graça teria convidado a equipe para participar da competição que deve começar no fim de Outubro.

O Volta Redonda participou da última Liga Nacional, segunda divisão, e terminou na terceira colocação.

A posição não daria direito a equipe de jogar a Superliga.

Somente os dois primeiros colocados se classificam para a Superliga diretamente e ainda assim desde que cumpram os pré-requisitos necessários.  

O Volta Redonda é o atual campeão carioca e ganhou a seletiva da região Sudeste.

Há 10 anos o estado do Rio não tem representante na Superliga.

   

Por Bruno Voloch às 17h20

Vitória contra a Alemanha começou na véspera

Foi a atuação mais convincente que vi da seleção em 2009.

Perfeição não existe no esporte, longe disso, mas que a seleção chegou perto, chegou.

O desempenho na partida contra a Alemanha foi absolutamente perfeito em quase todos os sentidos.

Mas não só as jogadores tiveram mérito nessa vitória.

A comissão técnica teve papel fundamental.

É comum em seleções e clubes as jogadoras assisitirem vídeo dos advevrsários no campeonato e especificamente na véspera de cada partida.

As jogadas principais são vistas, revistas e analisadas pela comissão ao lado das jogadoras.

Para onde cada uma ataca , se diagonal ou corredor.

Tudo chega mastigado. 

Executar e não esquecer é outro departamento.

E lógico muitas vezes, acontece alguma jogada nova que surpreende.

Nesse caso, mérito deles.   

Todas, repito, todas as jogadas de ataque da Alemanha estavam marcadas.

Ponta, fundo, meio, de onde surgisse ataque o Brasil estava bem posicionado no bloqueio.

Incrível.

Muito vídeo, muito estudo e dedicação.

Efetuar não é fácil e se concentrar durante os 3 sets sem esquecer dos posicionamentos, mais difícil ainda.

Portanto nesse caso, prefiro não elogiar, a b ou c, até porque, d , e e também f jogarem bem.

O conjunto esteve forte. 

Por Bruno Voloch às 17h01

20/08/2009

Natália ainda não está pronta e nem poderia estar

Para jogar contra a escola asiática é preciso ter muita disciplina tática.

Elas erram pouco, defendem muito e não desitem de nenhuma jogada.

Falo em escola asiática.

Coréia, Japâo e China.

China especificamente.

Foi dessa forma e com esse comportamento que o Brasil venceu o jogo e por 3 a 0.

Fisicamente nossa seleção está voando.

Jogamos 5 sets no dia anterior contra a Rússia e não sentimos o desgaste.

A China também jogou 5 sets contra a Holanda e me pareceu meio sem força.

Cada vez mais Natália se firma na seleção.

Vem jogando com uma personalidade poucas vezes vista para uma menina de apenas 20 anos.

Natália não está sentindo a pressão e o mais importante é que em diversos momentos deixa Sheilla e Mari mais "aliviadas".

A seleção defendeu mais do que na partida anterior contra a Rússia.

Nossas centrais foram extremamente equilibradas.

As duas tiveram participações importantes com 4 pontos de bloqueio cada.

Mas nessa vitória de hoje não posso deixar de citar Natália.

Claro que os 19 pontos nos chamam a atenção.

Mas Natália está mais madura.

Sua condição física é "assutadora" em todos os sentidos.

Mas é preciso ter cautela.

As mesmas pessoas que largam elogios hoje podem criticar amanhã.

Me incluo entra elas, afinal essa é a nossa função.

Analisar com profissionalismo e sem demagogia. 

Críticas sempre construtivas.

Lembram da Mari em 2004 ?

Tentaram e quase queimaram a jogadora e nessa eu não me incluo.

Grande covardia que fizeram com ela naquela época. 

Sobre Natália, faz parte, mas sem essa de dizer que ela está "pronta".

Natália não está pronta, ainda.

E nem poderia pela idade que tem.

Mas o desempenho dela no Grand Prix, onde começou como reserva, nos faz acreditar que ela está passando no teste com eficiência e humildade.

Pode errar ?

Sim e certamente vai errar muito ainda na vida.

Deve ser Natália a jogadora do "desafogo" ?

Penso que sim e depende demais do jogo, do momento e da cabeça da levantadora.

Mas não é uma obrigação.

Natália para a idade que tem e a experiência que possui, tem algumas diferença, e virtudes que considero fundamentais.

É corajosa, pede bola, não alivia e não tem medo de errar.    

 

    

 

 

Por Bruno Voloch às 12h54

Em noite espetacular, Manon Flier garante mais uma vitória da Holanda no Grand Prix.

Manon Flier tinha razão e confirmou o que disse com exclusividade ao blog.

A Holanda vai brigar pelo título do Grand Prix.

Hoje a seleção holandesa venceu a segunda seguida na fase final e divide a liderança com o Brasil com duas vitórias em dois jogos.

A vítima dessa vez foi a Alemanha.

A Holanda ganhou por 3 sets 2, mesmo placar da vitória sobre a China e novamente com 15/13 no quinto set.

Flier fez 32 pontos.

Isso mesmo.

A atacante holandesa entrevistada ontem pelo blog foi a maior pontuadora do jogo.

Curiosamente os 32 pontos de Flier foram em ataques nos 5 sets disputados.

O próximo jogo da Holanda será contra o Japão, já eiliminado, nesta sexta-feira.

A Alemanha joga suas últimas chances no Grand Prix contra o Brasil.

Uma derrota elimina a Alemanha da competição.

Por Bruno Voloch às 09h44

Rússia se recupera, derrota Japão e mantém chance de título no Grand Prix

A Rússia conseguiu a primeira vitória na fase final do Grand Prix.

Fechando a rodada, a Rússia derrotou o Japão por 3 sets a 1, com parciais de 25/17, 25/23, 27/29 e 25/14.

A partida durou uma hora e cinquenta minutos.

Anna Makarova foi o nome da vitória russa chamando mais atenção do que Gamova e Kosheleva.

Makarova pontuou vinte e duas vezes e fez seis bloqueios nos 4 sets jogados.

Aliás a Rússia esteve impressionante no bloqueio.

Foram 19 pontos nesse fundamento e mais 8 aces.

Com uma vitória e uma derrota, a Rússia volta a jogar nesta sexta-feira contra a China.

Se vencer a China, já sem chance de título, a Rússia ainda poderá brigar pelo primeiro lugar no Grand Prix.

Por Bruno Voloch às 09h35

Com exclusividade, Flier, craque da Holanda diz que seleção pode ganhar novamente o Grand Prix

Poucas horas antes do jogo contra a Alemanha, o blog conseguiu contato com a estrela da seleção holandesa, Manon Flier.

Flier tem 25 anos, 1,92 de altura, 250 jogos pela seleção e atualmente defende o Novara da Itália.

Flier é uma das maiores pontuadoras do Grand Prix, fala 4 idiomas, pensou em ser jogadora de tênis e nas horas vagas não abre mão de um bom livro.

Após o café da manhã e antes de seguir para o treino ela respondeu algumas perguntas.

Blog : A Holanda pode brigar pelo título ?

Flier : Sim, a Holanda tem capacidade de conquistar o Grand Prix como fez em 2007. A vitória contra a China foi a prova que a gente precisava. Foi um grande passo.

E o que você espera do jogo contra a Alemanha ?

As seleções se conhecem muito e será um jogo equilibrado. Porém acredito e confio nas minhas companheiras. Estamos preparadas e estudamos muito a Alemanha. Vamos vencer tenho certeza.

O que você pode falar da seleção brasileira ?

É um time muito bom. Forte fisicamente e também na parte técnica. Gosto do treinador Guimarães e da maneira como ele comanda o Brasil.

Quem é a melhor jogadora da seleção ?

A Sheilla é ótima. Joguei contra ela algumas vezes e tem muita habilidade. Mas existem outras jogadoras interessantes, caso da Mari que também conheço. Uma menina nova ( Natália) pode ter futuro. Salta bem e bate muito forte.

Brasil é o favorito ?

Fez a melhor campanha e é o campeão olímpico. Mas a Rússia cresceu na fase final e a China mesmo perdendo é muito perigosa.

Qual foi a maior tristeza de sua carreira ?

Decepção foi não ter conseguido a vaga para jogar a Olimpíada em 2008. Perdemos para a Polônia e a Turquia, foi uma grande tristeza.

E sua maior emoção ?

A conquista em 2007 do Grand Prix. Conquistamos o título e fui eleita a melhor jogadora da competição. Poucas pessoas apostariam na gente mas derrotamos China, Itália, Brasil, Polônia e Rússia.

Porque o vôlei da Holanda evoluiu nos últimos anos ?

A chegada do Avital Selinger nos ajudou demais. Ele é muito inteligente, sabe o limite da mulher e nos mostrou que não existe equipe imbatível no mundo. Se treinamos forte e com dedicação podemos superar qualquer adversário.

Você ainda tem algum sonho no esporte ?

Sim, é jogar uma Olimpíada. Tenho participações em campeonatos mundiais, Grand Prix, mas jogar uma Olimpíada seria uma realização profissional.

Disse aqui no blog que você é uma das melhores jogadoras do mundo na atualidade ...

Agradeço, mas não acho que seja uma das melhores do mundo. Tenho somente 25 anos e estou aprendendo muito jogando na Itália. Sei que estou numa grande fase, talvez a melhor, mas existe um longo espaço em ser a melhor do mundo.

Então quem é a melhor do mundo ?

Não existe uma somente. Tem a Sheilla, Gamova, Sokolova, Aguero, Wang da China e muitas jogadoras boas de verdade. Minha companheira Chaine Staelens está supreendendo também.

 

 

Por Bruno Voloch às 23h39

19/08/2009

Jogou quem "esteve em quadra" pelo Brasil

Que jogaço.

Deu prazer assisitir Brasil e Rússia essa madrugada.

Sinceramente falando, ou melhor escrevendo, qualquer que fosse o resultado final do jogo não mudaria uma linha do blog.

Lógico que a vitória nos dá a sensação que a seleção está no caminho certo e deixa menos dúvidas quanto ao futuro dessa geração.

Vi uma seleção forte em quase todos os fundamentos no primeiro set.

Em nenhum momento fomos ameaçados pela Rússia e Fabiana, Natália e Sheilla estiveram muito bem.

No segundo set tivemos mais dificuldades no passe.

Zé foi obrigado a fazer a inversão colocando Ana e Joycinha.

De nada adiantou. O Brasil errou mais do que no primeiro set e as russas empataram merecidamente.

Volta o terceiro set e encontramos novamente uma seleção forte e sacando pesado, sem errar tanto quanto no set anterior.

A vantagem no início do set foi importante para dar tranquilidade as meninas.

Zé fez novamente entrar Ana e Joycinha, mas em nada contribuiu ou prejudicou o time.

Ganharíamos como ganhamos de qualquer forma o set e até de uma forma tranquila por 25 a 17.

O Brasil foi instável no quarto set.

Abriu com a mesma facilidade do set anterior e se mantivesse o ritmo fecharia em 3 a 1.

Acontece que o bloqueio da Rússia voltou a funcionar e nosso saque parou de entrar, fora os muitos erros de ataque.

Novamente aparecem Ana e Joycinha sem efeito algum.

Natália e Fabiana foram os pontos positivos do Brasil com extrema regularidade. 

Quando o Brasil conseguiu uma incrível reação Dani Lins cometeu uma bobagem.

Sheilla foi bloqueada e a Rússia fez 26/24.

Natália e Sheilla se desdobravam atacando do fundo de quadra para colocar as bolas no chão no tie-break.

A partida ficou muito nervosa e as seleções se alternavam na frente no marcador.

Quando a coisa parecia perdida, derrota certa, apareceu a estrela de Thaísa.

No saque e em dois bloqueios, Thaísa foi fundamental na vitória de 16/14.

Falar em destaques é complicado.

Digo que Gamova e Kosheleva foram bem na Rússia.

Fomos muito inconstantes na partida.

Tivemos dificuldades porque ainda não tínhamos cruzado com a Rússia "de verdade" esse ano e jogando pra valer.

Achei Natália firme, Mari e Sheilla seguras como de hábito e nossas centrais muito concentradas.

Dani Lins sentiu nitidamente a responsabilidade e esteve abaixo da média.

Quem veio do banco em nada colaborou.  

Erramos muitos contra-ataques e nossa defesa não funcionou.

Porém concordo com Zé Roberto quando ele diz que o Brasil soube "sair do bruraco" no quinto set.

E no momento em que vive essa seleção, sem Fofão, ganhar assim é importande demais no aspecto emocional.   

 

  

             

Por Bruno Voloch às 12h45

Alemanha confirma favoritismo e passa pelo Japão

A Alemanha começou bem a fase final do Grand Prix.

Mesmo jogando contra o time da casa e a torcida, a Alemanha venceu o Japão por 3 sets a 1.

As parciais foram de 25/21, 16/25, 25/17 e 25/22.

O jogo durou quase duas horas.

Kozuch e Furst fizeram 30 pontos pela Alemanha e foram determinantes na vitória.

Brinker marcou mais 13.

O bloqueio foi um dos pontos fortes da Alemanha durante a partida.

Foram 13 pontos nesse fundamento no total.

Mesmo assim, a ponta Kimura rodou a maior parte das bolas pelo lado do Japão.

Nesta quinta-feira, a Alemanha enfrenta a Holanda e o Japão terá pela frente a Rússia.

Por Bruno Voloch às 10h01

Flier se destaca na vitória da Holanda contra a China pelo Grand Prix

E é de fato o Grand Prix de verdade.

Consegui assistir todo o jogo entre Holanda e China e confesso que começo a achar que a Holanda não veio mesmo para brincar.

Após a vitória de hoje por sim brigar pelo título de 2009.

A Holanda ganhou de forma convincente jogando um vôlei de primeiro nível e sendo pressionada a maior parte do tempo.

A China venceu o primeiro set por 25/17 e deu a impressão que derrotaria fácil as holandesas.

Com muita velocidade, a China não tinha dificuldades em colocar as bolas no chão e o bloqueio da Holanda não achava as atacantes chinesas.

Eis que começa a aparacer o jogo de Manon Flier.

Craque.

Ela chamou a responsabilidade e foi a responsável pela virada da Holanda com um duplo 25/22.

A Holanda chegou a dominar o quarto set mas perdeu em detalhes por 26/24.

No quinto set, dramático, a Holanda foi mais regular e fechou com a parcial de 15/13.

Manon Flier fez 28 pontos dos 107 feitos pela a Holanda na partida.

24 de ataque e 4 pontos de saque.

A central Ingrid Visser marcou 13 e apareceu bem no jogo.

Ming Xue foi a mais efetiva da China com 15 pontos.

A Holanda volta a jogar nesta quinta-feira contra a Alemanha e a China encara a seleção brasileira.

 

 

Por Bruno Voloch às 08h47

18/08/2009

Presidente do Pinheiros tenta censurar blog, mas não consegue

O Pinheiros é um dos mais tradicionais clubes do Brasil.

São anos dedicados a diferentes modalidades e revelando valores para o esporte.

Recentemente montou uma grande equipe de vôlei masculino e manteve o time feminino, não do mesmo nível, porém manteve a tradição de disputar a Superliga.

Clube organizado dentro e fora de quadra e com um incrível quadro social.

Clube de alto nível e que sempre nos abriu as portas na chamada democracia.

Eis que o blog liga para fazer matéria com um dos principais jogadores de vôlei do Pinheiros e se supreende.

Sem graça, ele diz constrangido que não pode falar, mas por me conhecer há anos abre o jogo e confessa que o Presidente do clube, Antônio Moreno Neto, pediu que se puderem, os jogadores e comissão técnica deveriam evitar de dar entrevista porque o blogueiro em questão tem informações de bastidores e fala o que pensa.

"Pode ser perigoso".

E mais. Evitem de comparecer aos programas em que ele estiver.

Piada.

Meu caro Presidente, quem não deve não teme.

Se existem as informações, elas serão sim divulgadas.

Se o Presidente baixou essa deteminação, é necessário que os associados e a mídia em geral, saibam como o comandante de um clube do tamanho do Pinheiros, no auge da democracia coloca as leis em vigor.       

Mas por onde anda a democracia ?

Democracia ? 

Procurado pelo blog a assessoria se negou a dar o contato do Presidente.

Essa é uma atitude histórica dentro do vôlei mas que já vimos algumas vezes no futebol.

Atitude que não condiz com o Pinheiros.

É claro que o blog vai seguir fazendo seu papel de divulgar, informar, opiniar e entrevistar quem de direito.

Acontece que os "amadores" no assunto deveriam saber que mais de 20 anos de estrada, não são 20 dias e nem 20 mêses.

Tempo suficiente para ter muitas fontes e muitas, mas muitas amizades que superarm qualquer salário pago as estrelas da equipe.

Estrelas que por sinal, abominam a atitude e por trás ainda tiram "sarro".

São jogadores experientes e que não vão se prestar a esse papel de "marionetes" na sua mão.

Quem se amedronta são os amadores e aqueles que não tem personalidade formada, bem diferente do time adulto de vôlei masculino. 

Atitudes como a do Presidente, não vão fazer com que a gente perca o respeito pelo Pinheiros.

Ele está de "passagem" e o clube é eterno.

Mas os associados tinham a obrigação de saber para quem entregaram a administração atual.

E o patrocinador, tomar conhecimento do "modelo de gestão" do Pinheiros. 

Detalhe.

A entrevista com o jogador em questão foi feita e claro será divulgada em breve.

         

Por Bruno Voloch às 18h59

Minas contrata duas estrangeiras para a Superliga 2009/2010

Mero coadjuvante nas últimas temporadas, o Minas anunciou a parceria com a Usiminas, empresa qua atua no setor suderúrgico.

O anúncio foi feita hoje na sede do clube na capital mineira.

Sinal de que os tempos podem mudar e o clube voltar a sonhar com o passado de vitórias.

O Minas aproveitou e divulgou a contratação de duas jogadoras estrangeiras.

A norte-americana Nancy Metcalf e a dominicana Annerys Vargas.

Metcalf joga na saída de rede, tem 1m86 e 30 anos de idade.

Ela atuou no Grand Prix onde a seleção dos EStados Unidos foi eliminada na primeira fase. 

Vargas joga de meio e também jogou o Grand Prix pela seleção de seu País.  

O Minas terminou a última superliga apenas na oitava colocação.

Por Bruno Voloch às 18h34

Agora começa o Grand Prix de "verdade"

Agora será pra valer.

Começa amanhã em Tóquio a fase final do Grand Prix.

Depois de muitas viagens, deslocamentos, pouco tempo de treinamento, mas é a hora que todos os atletas gostam.

Vejo muita gente falando do favoritismo do Brasil, única seleção invicta até então.

Pelos números de fato não se pode fugir dessa realidade.

E pela bola ?

Pelo que vi até agora, apenas a China na prática representaria alguma ameaça para a seleção.

Mas de todas as competições jogadas em 2009, com o devido respeito, essa é a primeira que podemos analisar e cobrar algum tipo de resultado.

As demais o Brasil não fez mais do que obrigação de vencer, que me desculpe a sinceridade.

Vejo com uma certa indiferença jogar a primeira partida contra a Rússia.

Conhecemos bem o estilo delas.

Bola alta nas pontas, bloqueio pesado e uma dificuldade no passe.

A Rússia atual é imprevisível.

Capaz de ganhar os jogos mais complicados com facilidade ou se complicar nos mais tranquilos.

Se estiver nos "dias" e sacando "pesado" vai nos dificultar a vida.

Tem Gamova em boa fase novamente e Kosheleva como destaque.

Sheshenina é fraca como levantadora e o ponto negativo da Rússia.

Aliás esse é um problema antigo delas. 

Dani Lins precisará estar inspirada e jogar com velocidade para fugir do bloqueio russo.

Dani precisa ser inteligente e ler o jogo o tempo todo.

Usar as nossas centrais Thaísa e Fabiana é a melhor alternativa olhando de fora.

Sheilla certamente estará muito marcada o mesmo acontecendo com Mari.

Natália pode "sentir" o clima da fase final. 

O Brasil tem mais time e é o favorito.

Simples assim. 

Nos demais jogos o melhor deve ser Holanda e China.

Como jogaram na semana passada e se conhecem bem, acredito num jogo totalmente diferente dos 3 a 1 da China.

Vejo a China mais técnica e com Xue e Wang em fase estrelada.

A levantadora Wei é boa de bola e muito esperta.

A Holanda é ainda dependente de Manon Flier, craque de bola.

Mas ela sozinha não ganha jogo.

Staelens precisa jogar junto com Debby Stam.

Japão e Alemanha fecham a rodada.

A Alemanha melhorou muito desde que começou o Grand Prix.

Técnicamente é mais forte.

Kozuch dita o ritmo da Alemanha e ao lado de Furst são até agora os nomes da Alemanha no Grand Prix.     

O Japão joga na base da empolgação e nos erros do adversário.

Tem a levantadora Takeshita que adoro ver atuar, confesso.

Das seis seleções é a mais fraca, não tem chance de título, mas pode ser determinante se roubar sets como pode fazer.  

Por Bruno Voloch às 12h17

Maioria dos times classificados na "segundona" não vai jogar a Superliga

A liga nacional teoricamente classifica 4 equipes para a Superliga 2009/2010.

Mas ser campeão ou vice da competição não significa especificamente que as equipes disputem a Superliga.

A liga é uma espécie de segunda divisão do vôlei brasileiro.

No feminino Santa Catarina e São Bernardo e no masculino UPIS de Brasília e Blumenau dentro do quadra garantiram as vagas.

Mas se não preencherem os pré-requisitos ficarão de fora da Superliga.

O que não dá para entender é que porque as equipes entram na competição se correm o risco de no final, mesmo atingindo o objetivo, não conseguirem preencher os pré-requisitos.

A UPIS por exemplo, campeã no masculino, não tem intenção de jogar a Superliga.

Parece coisa de maluco.

Segundo a direção, a UPIS é apoiada por uma universidade que tem outras prioridades e disputar a Superliga não é prioridade.

Mas então porque a CBV deixa a equipe jogar a liga se corre o risco de uma equipe vencedora ficar de fora ?

Não entendo o critério.

Seria o mesmo do Atlético (GO) ou o Vasco subirem e depois desistirem de jogar a série A.

Não dá. 

Não nos moldes profissionais como o vôlei é tratado hoje em dia.

Assim com a UPIS, o time de Blumenau, vice- campeão, está na dependência de arrumar um patrocinador. 

E olha que Blumenau jogou 5 superligas portanto sabia o que estava disputando.

Porque a CBV não coloca no regulamento que para participar da liga, as equipes precisam dar algum tipo de garantia para a entidade que se conseguirem a vaga estarão na Superliga ?   

Seria mais corente e justo.

Dar visibilidade no projeto era um dos objetivos do time feminino de São Bernardo.

Dito e feito.

O time foi vice-campeão.

São Bernardo fica na espera da prefeitura arcar com os custos de viagem, alimentação, arbitragem e etc ...

Hoje, também estaria fora.

No feminino ainda, apenas Brusque confirmou que vai fazer valer o que ganhou na quadra.

Como o orçamento era pequeno, antes da liga, aconteceu uma fusão entre Pomerode e Brusque.

Juntos, os times conseguiram a vaga e a certeza da disputa da Superliga.

Fica a incerteza em relação ao futuro.

A CBV deveria repensar essa situação.

Óbvio que a iniciativa é válida.

Mas a entidade não é obrigada ou não deveria passar por esse constrangimento de organizar a "segundona" e os classificados não jogarem a "primeira".

Lamentável.

Entendo que a idéia é deixar as equuipes jogarem, incentivar outros centros desconhecidos e revelar jogadores.

Mas o final do filme é ainda longe do ideal.       

Por Bruno Voloch às 11h47

Bulgária "classifica" República Tcheca para mundial de 2010

Não faltou emoção em mais um classificatório para o mundial de 2010.

Dessa vez na cidade de Varna, na Bulgária.

Portugal, Holanda e República Tcheca entraram na terceira rodada com chances de classificação.

A única seleção garantida era a da Bulgária.

No primeiro jogo a República Tcheca precisou de 5 sets para vencer Portugal.

Mas o sofrimento estava apenas começando.

A vitória por 3 a 2 não garantia ainda a classificação.

Era preciso esperar o jogo de fundo entre Bulgária e Holanda.

A Holanda, precisando de uma vitória simples ganhou o primeiro set por 25-23 dando a impressão que ficaria com a vaga.

A Bulgária reagiu, fez 25-16 e 25-18 nos sets seguintes.

Mas a segunda vaga só ficou mesmo decidida com a Bulgária marcou o décimo-segundo ponto no quarto set.

Na matemática a vaga já era da República Tcheca.

Restou a Bulgária fechar o jogo num saque de Nikolov em 25-23, fazendo 3 a 1.

Bulgária e República Tcheca ficaram com as vagas em Varna.

 

Por Bruno Voloch às 09h09

Sérvia e Espanha estão no mundial da Itália

O jogo serviu apenas para definir o campeão "simbólico" do torneio classificatório da cidade de Kragujevac na Sérvia.

Sérvia e Espanha fizeram a decisão, após terem vencido os jogos anteriores contra Romênia e Estônia.

A Sérvia levou a melhor e derrotou a imprevisível seleção espanhola por 3 sets a 1.

A Espanha saiu assustando ganhando o primeiro set por 25 a 22, mas ficou nisso.

Depois a Sérvia tomou conta da partida ganhando os 3 sets seguintes por 25-18, 25-19 e 25-20.

4.200 torcedores acomoanharam a partida e como de costume Miljkovic acabou eleito o melhor jogador do quadrangular.

A Sérvia perdeu recentemente a Liga Mundial em casa para o Brasil.

Por Bruno Voloch às 08h54

Tunísia é a primeira seleção africana garantida no mundial

A Tunísia está classificada para o campeonato mundial masculino de 2010 que será jogado na Itália.

A classificação foi obtida após a vitória de 3 sets a 1 sobre a Argélia.

A Tunísia fez 25-19 no primeiro set.

Teve dificuldades no segundo mas venceu por 27-25.

A Argélia ainda respirou com 25-20 no terceiro, mas com o apoio da torcida a Tunísia fechou o jogo com 25-22 no quarto set em 102 minutos de partida.

Marouen Garci da Tunísia fez 23 pontos no jogo decisivo e ainda levou o prêmio de melhor jogador do classificatório africano.

O continente africano ainda terá mais um representante no mundial.

Outro torneio começa a ser disputado hoje no Egito e vai até o dia 20.

Na cidade do Cairo, Egito, Marrocos, Nigéria e Botsuana brigarão pela vaga restante

Por Bruno Voloch às 08h43

Sobre o autor

Carioca, tem mais de 20 anos de profissão. Iniciou a carreira na extinta TV Manchete em 1988. Foram 6 anos até ser contrato pela Band Rio em 1994. No ano seguinte estava no Sportv/Globo onde foi idealizador e apresentador do programa Supervolley. Atuou como repórter de 1995 até 2003, e participou da cobertura dos campeonatos brasileiros de 1995 a 2003 em jogos ao vivo. Em 2004 se transferiu para o Bandsports, onde criou e comandou os programas "Roda de vôlei "e Linha de 3". Foi apresentador e comentarista de vôlei e basquete do canal. Em 2008 acumulou a função de diretor de jornalismo até setembro de 2009. De 2007 até 2009 foi colunista da rádio Bandnews FM do Rio e trabalhou nos jornais Lance e Jornal dos Sports. Participou da cobertura de 3 Copas do Mundo, 3 Olimpíadas e das últimas 3 últimas edições do Pan. Hoje é colunista do Jornal do Brasil e comenta futebol para a Bandnews FM/Rio de Janeiro e rádio Terê FM/Rio de Janeiro. É especialista em vôlei.

Sobre o blog

Opinião e informação sobre o que de mais relevante ocorre no vôlei no Brasil e no mundo.

Histórico

© 1996-2009 UOL - O melhor conteúdo. Todos os direitos reservados.