Blog do Bruno Voloch

03/10/2009

É preciso reconhecer. A vitória foi de Carlos Arthur Nuzman

São 5 medalhas de ouro na história das Olimpíadas.

Pirmeiro em Barcelona 1992 com o masculino. Em 1996 ganhamos o Ouro com o vôlei de praia feminino.

2004 em Atenas foi a vez novamente dos homens e em dose dupla. Na praia e na quadra.

E chegamos em 2008 com o inédito Ouro no vôlei feminino.

Mas tudo começou lá atrás com aquela prata de 1984 e podemos voltar mais no tempo.

Gostaria de voltar no tempo e chegar no nome de Carlos Arthur Nuzman.

67 anos de idade e uma vida inteira dedicada ao esporte.

Tudo bem que a comitiva do Brasil tinha o Presidente Lula, Pelé, políticos, ídoldos do passado, do presente e todos tiveram participação importante.

Cada um na sua área.

Tudo bem não, ainda bem que o Brasil foi bem representado.   

Uma vitória e tanta, inesquecível e histórica.

Mas ninguém merece tanto quanto o Presidente do COB, Carlos Arthur Nuzman.

Cidadão que eu conheço há mais de 20 anos.

O "Carlos Arthur" como era chamado na década de 60.

Nuzman sempre se dedicou ao esporte.

Estudava no Rio de Janeiro e naquela época praticava natação e tênis no Fluminense.

O vôlei, quem diria, era apenas mais uma dentre tantas atividades esportivas de seu cotidiano.

Nuzman iniciou sua carreira no vôlei pelo CIB, Clube Israelita Brasileiro.

Como jogador também participou em parte da seqüência de onze títulos seguidos no Botafogo entre as décadas de 60 e 70.

O atual Presidente do COB integrou a delegação brasileira que participou dos Jogos Olímpicos de Tóquio em 1964.

Advogado formado, tem o esporte na veia como se diz na gíria.

Sujeito digno, correto, leal, vencedor e acima de tudo um cara ambicioso.

Erra como qualquer outro ser humano.

Mas tem muito mais acertos do que erros.

Transformou o vôlei brasileiro em vôlei mundial.

Esporte respeitado no mundo inteiro.

Nuzman assumiu o comando da entidade máxima do esporte brasileiro em 30 de junho de 1995 para completar o mandato de André Richer, que deveria permanecer no cargo até 1998, mas um acordo costurado dois anos antes entre os dois dirigentes levou à mudança. 

Nuzman acumulou os cargos de presidente do COB e da CBV até 1997, quando fez Ary Graça o seu sucessor no vôlei e que permanece até hoje no posto.

Deixava portando o comando da CBV para se dedicar inteiramente ao COB.

Disse numa ocasião que gostaria de trazer quem sabe um dia, os jogos pan-americanos para o Rio.

Conseguiu.

Foi motivo de piada e chacota quando perdeu duas vezes a possibilidade de sediar os jogos olímpicos em 2004 e 2012.

Ele desistiu ?

Jamais, foi sempre uma de suas virtudes.

A fé e perseverança.

Pode não ter escolhido bem alguns de seus assessores, como acho que existem algumas peças mal colocadas, mas não está lá para agradar a todos.

Nuzman, foi realmente foi um trabalho bem feito, que "terminou" uma vitória merecida.

Vitória essa que óbvio contou com a colaboração do governo, federal, estadual e municipal.

Aprendemos de fato com os erros das candidaturas anteriores.

Não era a hora. Aliás, meu caro Nuzman, tudo tem sua hora.

O desenvolvimento do esporte e os investimentos em infraestrutura vão fazer ou devem fazer o nosso País dar um salto de qualidade em todas as áreas.

O Brasil terá a chance de mostrar para o mundo que o País do futebol é também do vôlei, do judô, da ginástica, do atletismo e de várias outras modalidades que são praticadas no Brasil.

Teremos em 2016, o melhor do esporte mundial no Rio de Janeiro e todos os setores vão ganhar com essa escolha.

Turismo, economia, saúde, educação, todas as áreas que devem e precisam receber uma atenção especial em função da vinda desse evento.

Nuzman foi bem demais.

Não tem essa e nem poderia, ficar falando mal ou comparando as candidaturas de Tóquio, Chicago ou Madri.

Ironizar o Presidente dos Estados Unidos Barack Obama, como boa partde da mídia tem feito, é o cúmulo do absurdo.

Até porque, ainda temos muito que aprender com os norte-americanos.

Mas essa vitória é de todos, do povo brasileiro, carioca e de um cidadão em especial.

Carlos Arthur Nuzman.

Você conseguiu ... 



  

  

   

Por Bruno Voloch às 10h07

Dizem que no esporte não dá para cantar vitória antes do jogo. O sul-americano é uma exceção

A vitória contra a Argentina colocou a seleção feminina na semifinal do sul-americano que está sendo jogado em Porto Alegre.

Até que enfim tivemos jogo de fato para a seleção.

Aliás, melhor dizendo.

Tivemos um set para a seleção. O terceiro.

Não que a Argentina seja um adversário de primeira linha, pelo contrário, mas o Brasil precisou "jogar" para vencer o terceiro set, bem diferente dos jogos contra Paraguai e Uruguai.

Os dois primeiros sets foram dominados com tranquilidade pela seleção brasileira.

Um duplo 25/15 com destaque para Natália e Mari em cada set.

No terceiro set o passe do Brasil caiu demais de produção.

Dani Lins teve que literalmente correr para se virar.

Num momento de total relaxamento, até natural para o sul-americano, o Brasil levou 6 pontos seguidos da Argentina e ficou atrás no placar a partir do vigésimo ponto.

Mas com tranquilidade e um pouco de seriedade, a seleção virou o set e fechou com um ataque de Sheilla do fundo.

Mesmo tendo surpreendido chegando nas semifinais, a Colômbia não vence o Brasil e nenhum set.

Hoje será um novo 3 a 0.

Argentina e Peru fazem a outra semifinal.

Na teoria dá vitória das peruanas.

Mas se a Argentina repetir o que fez no terceiro set contra o Brasil, pode complicar e tornar o jogo imprevisível.

O torcedor gaúcho pode ficar despreocupado.

O Brasil já está na final.

Nesse caso, raridade, dá para comemorar vitória antes do jogo.

 

Por Bruno Voloch às 09h00

São Bernardo cumpriu seu papel e passa a ser o favorito ao título paulista

São Bernardo fez o que todos já sabiam e esperavam.

Venceu novamente São Caetano e está na decisão do campeonato paulista.

O segundo jogo foi mais equilibrado.

Devo destacar a luta do time de São Caetano que não se entregou em nenhum momento valorizando a vitória de São Bernardo que só saiu no tie-break. 

Mesmo desfalcado do líbero Serginho, São Bernardo foi superior e ganhou com méritos.

Tuba também fez falta, mas Rubinho, treinador do São Bernardo, foi inteligente e "usou" Dante na saída de rede em boa parte do jogo.

São Bernardo fez a melhor campanha e agora espera de camarote o ganhador de Sesi e Pinheiros para conhecer o adversário na decisão.

Pelo que fez até agora no paulista, quem vier do outro lado vai encontrar São Bernardo favorito ao título.  

Por Bruno Voloch às 08h45

01/10/2009

De um lado vai estar São Bernardo. E do outro ?

Podem cravar.

São Bernardo será finalista do campeonato paulista.

Trata-se apenas de um palpite sem menosprezo ao time de São Caetano.

Mas São Bernardo mostrou regularidade desde o início do campeonato.

Vejo a equipe de São Bernardo equilibrada em todos os setores e com Marlon em ótima fase.

Nesta sexta-feira em São Caetano, acontece o segundo e provavelmente último jogo do confronto.

Sesi e Pinheiros começam a jogar no Sábado.

Não creio que o guerreiro time de São Caetano tenha forças para reverter a situação e ganhar dois jogos seguidos de São Bernardo.   

Do outro lado espero uma série bem mais disputada. 

Sesi e Pinheiros.

Pinheiros já está decepcionando.

Eu confesso que não fiquei surpreso com o terceiro lugar conquistado na fase de classificação.

Muita gente ficou , posso garantir.

Afinal o time foi montado para ser campeão.

Foram 5 derrotas em 14 jogos.

Mas a equipe também tem potencial, não vamos negar.

Sofre da incrível síndrome do quinto set.

Perdeu vários jogos no tie-break, imperdoável para um time tão rodado.

São 3 derrotas seguidas nas mesmas circunstâncias.

Vôlei Futuro, Atibaia e São Bernardo.

Vôlei Futuro e Atibaia nem entre os 4 ficaram para se ter uma idéia.

Atibaia foi apenas sétimo colocado.

Nos últimos 5 jogos foram 4 derrotas. 

Não sei exatamente em quais condições Giba vai estar jogando e se vai jogar.

Rodrigão e Gustavo no meio são muito regulares, especialmente Gustavo.

Esse cresce na hora da decisão.

Sesi sofreu com o entrosamento e teve que montar o time durante o paulista o que credencia ainda mais o trabalho de Gioavane Gávio.

Para as finais, os times do Sesi e do Pinheiros contarão com os jogadores da seleção brasileira.

Murlio, Sidão e Tiago Barth no caso do Sesi.

Anderson recuperou a boa forma e diferente do que fazia na seleção, está sendo muito útil para o Sesi.

O oposto foi o maior pontuador do time na primeira fase.

Marcou 169 pontos, sendo 115 de ataque, 6 de saque, 15 de bloqueio e 33 de contra-ataque.

Curiosamente, o Pinheiros foi o único adversário que o Sesi não conseguiu vencer na primeira fase do paulista.

Como disse, é uma equipe ainda em fase de formação e inconstante.

Capaz de vencer São Bernardo por 3 a 2 fora de casa e ao mesmo tempo perder de 3 a 0 para São Caetano.

Mas atenção:

Jogar em casa pode ser uma vantagem interessante.

Na Vila Leopoldina, o Sesi ganhou todas as 5 partidas que jogou.

    

Por Bruno Voloch às 15h36

Lloy Ball quer transformar Zenit Kazan da Rússia no melhor time do mundo

A temporada 2009/2010 será cansativa e movimentada para a equipe russa do Zenti Kazan.

O time será o representante do País na disputa do mundial de clubes a partir de 3 de Novembro em Doha no Qatar.

Pela primeira vez na história o Zenit vai jogar os cinco torneios oficiais ao mesmo tempo.

Além do mundial de clubes, o Zenit vai disputar o campeonato russo, a supercopa russa, a copa da Rússia e a Liga dos Campeões da Europa.

O Zenit é o atual campeão da Rússia.

O blog fez contato via e mail com o capitão do Zenit, o levantador norte-americano Lloy Ball.

Ele disse que o mundial é o primeiro objetivo:

"Nos 4 anos que estou na Rússia, o Zenit formou o melhor time até hoje. Será um torneio duro e acho que o Trentino da Itália é o nosso principal adversário. Mas o Zenit pelo que fez em sua curta história merece ser o melhor time do mundo".    

Mas Ball está preocupado com a nova regra que será colocada em prática no mundial, onde o primeiro ataque de cada time terá que ser feito da linha dos 3.

"Será preciso muito treino e entrosamento. Até as equipes se acostumarem com essa situação demora um pouco e o levantador tem que estar muito atento para não esquecer dessa obrigação. Com ou sem passe, a gente tem que se virar".

Ball não quis falar sobre as chances de Chicago sediar os jogos olímpicos de 2016.

O Zenit é o mais nova equipe no Campeonato Russo, tendo sido formada há 10 anos.
Nesse tempo, porém, o clube de Kazan já atingiu um grande número de vitórias.
Na temporada 2003/2004, a equipe fez sua estréia na divisão de elite da Rússia e conquistou o terceiro lugar.
Os líderes da equipe na época eram Igor Shulepov, Ruslan Fomin Dmitry Olikhver e, cujo desempenho ajudou a incentivar o Zenit a ganhar a taça nacional no mesmo ano.

Na temporada 2004/05, a equipe mais uma vez ganhou o bronze no campeonato, mas perdeu para o clube francês Tourcoing Lille Métropole, em sua primeira aparição na Taça CEV. 

As coisas começaram a mudar antes da temporada de 2006/07, quando o clube de Kazan, então conhecido como o Dínamo Tattransgas, trouxe muitas caras novas, incluindo as estrelas Ball e Clayton Stanley, fora Vadim Khamuttskikh, Sergey Tetyukhin, Andrey Egorchev e Alexander Kosarev todos da seleção. 

Finalmente no seu sétimo ano, o Zenit foi campeão russo em 13 de maio de 2007, quando derrotou o Dínamo de Moscou nos playoffs.

No ano seguinte, foi a temporada de maior sucesso na história da equipe.
O Zenit ganhou a copa do Rússia e em seguida, ganhou o prestigioso Indesit European Champions League.
Stanley, acabou como MVP do torneio e Alexander Bogomolov foi o melhor bloqueador. 




  
  

Por Bruno Voloch às 10h47

Não dá para falar muito de Brasil e Paraguai

Fica difícil e complicado avaliar taticamente o jogo entre Brasil e Paraguai.

Acho que é bem pelo que disse José Roberto Guimarães.

A seleção ao menos manteve a concentração e o respeito pelo adversário nos 3 sets "jogados".

Jogo de fato, não teve.

Achei interessante a seleção ter nas duas meios de rede as maiores pontuadoras.

Isso quer dizer que Dani Lins variou bem as jogadas sem bloqueio pela frente.

Carol e Adenízia estavam a fim de jogo.

No mais, foi ótimo poder ver novamente Paula Pequeno com a camisa da seleção.

Ele merecia voltar num jogo de maior apelo, mas no íntimo deve estar feliz.

 

Por Bruno Voloch às 10h08

30/09/2009

Brasil exagerou na dose para disputar o Sul-Americano

Começa hoje em Porto Alegre a vigésima oitava edição do campeonato sul-americano feminino adulto. 

Mas seria mesmo necessário levar o time titular do Brasil para jogar esse torneio ?

Claro que não.

Volto no tempo e me recordo que em 1984, o Inter de Porto Alegre, representou e bem o Brasil no futebol na Olimpíada de Los Angeles.

Onde quero chegar ?

Dizer que se o Brasil fosse representado pelo Osasco, Unilever ou São Caetano, ganharia da mesma maneira a competição.

Existem seleções, casos de Paraguai, Uruguai, Venezuela, Colômbia e Chile que são muito fracas em termos técnicos e que dificilmente escapariam das últimas posições na Superliga.

Mas Zé Roberto tem lá seus motivos.

O compromisso com o público e com a televisão é um deles e faz sentido.

Seria um desrespeito sediar o evento e não jogar com a "força máxima".

Não citei Argentina e Peru.

São as únicas seleções com alguma capacidade de beliscar um set do Brasil, que vai precisar se esforçar para que isso aconteça.

Argentina e Peru vão brigar para disputar o título com o Brasil e se encontrarão na semifinal do dia 3.  

Aliás, em 1993 foi a última vez que as peruanas ganharam o sul-americano.

Era ainda um time compettivo com Gabriela Perez, Rosa Garcia e Natália Málaga.

Lembro bem disso. Saudades.

De lá pra cá só deu Brasil.

E a última vez que perdemos um set na competição foi em 1999.

Por isso insisto que se hoje Zé Roberto no mínimo escalasse o time que jogou o Final Four no Peru o resultado final seria o mesmo.

O adversário de hoje é o Paraguai.

Segundo informações que nos chegam, as jogadoras vieram de ônibus desde Assunção e gastaram 26 horas.

O vôlei por lá não é  ainda profissional.  As jogadoras trabalham ou são estudantes universitárias.

Gosto da forma como Zé Roberto trabalha e encara as competições.

Mas que não havia a necessidade de jogar o sul-americano como esse time, isso não havia.

Ninguém me convence.   

Zé Roberto está perdendo uma grande oportunidade de ver e testar novas jogadoras.

 

 

   

Por Bruno Voloch às 09h05

29/09/2009

Tailândia sofre desmanche após conquistar Copa da Ásia.

 

A seleção feminina da Tailândia surpreendeu o continente asiático e o mundo ao ganhar a Copa da Ásia e se classificar para a Copa dos Campeões.

 
As jogadoras foram consideradas heroínas, receberam uma bela premiação em dinheiro, além de terem sido recebidas na casa do governo pelo primeiro ministro José Lello.

E o sucesso começa a chamar a atenção de outros países.

 

A levantadora Nootsara Tomkom foi para a Suiça jogar no VC Kanti Schaffhausen Club.

 

A capitã Wilavan Apinyapong e mais Pleumjit Thinkaow e Kanthong Malika foram contratadas pelo Eregli Club Konya da Turquia. 

Sittirak Onuma deve também atuar no vôlei da Suiça.

 

Hyapha Amporn está se transferindo para o voleibol da Alemanha.

No entanto, as seis jogadores tailandesas voltam ao País no início de Novembro para treinar com a equipe antes de viajar para a disputa da Copa dos Campeões. 

As novidades não param por aí.

 

Kiattipongs, treinador da seleção, confirmou que o governo vai contruir em Bangkok um centro de treinamento. 

 

O local será usado pelas categorias de base e adulta, e o complexo terá ainda piscina, área de musculação, sauna e sala de vídeo.

Por Bruno Voloch às 14h34

Maurício cumpriu seu dever nos amistosos contra os Estados Unidos. Veio para ficar.

Esse papo de que os resultados pouco importavam nos confrontos contra os Estados Unidos é pura conversa.

Isso não existe, ainda mais tratando-se da seleção bicampeã do mundo e Ouro em Atenas 2004.

Sempre haverá cobrança em cima de resultados mesmo que em simples amistosos como foi o caso.

Por isso, foi ótimo ter vencido as 5 partidas para não surgir nenhum tipo de desconfiança nesse trabalho de renovação.

Trabalho esse que começou com o título da Liga Mundial em cima da Sérvia.

Então, nada mais natural do que acontecerem as cobranças.

E elas de fato são inevitáveis em cima de uma seleção tão vencedora e capacitada.

Tudo bem que essa seleção americana não é nem sombra do time campeão olímpico e que nos derrotou na decisão do Ouro em Pequim.

Não dá para iludir o leitor.

Mas qual era idéia inicial ?

Dar bagagem e experiência aos mais novos do time.

Caso específico de Maurício.

Esse soube aproveitar bem a chance que foi dada pelo comissão técnica.

Com incrível personalidade, jogou como veterano e encheu os olhos de Bernardinho.

19 anos e melhor do mundo na categoria juvenil, vai dar trabalho nas futuras convocações.

O levantador Sandro que jogou muito pelo Cruzeiro, me pareceu nervoso no quarto jogo e ainda tentando se ambientar com os companheiros.

A camisa "pesou", mas faz parte e ele só poderia ser mesmo testado nessas condições. 

Algo absolutamente natural.

Mas Marlon é superior.

Theo esteve mais à vontade.

Todos os centrais usados por Bernadinho jogaram bem.

Do primeiro ao quinto jogo.

Bom também foi ver Bruno de volta na quinta partida.

O líbero Mário Jr mostrou qualidades, mas a concorrência é pesada e disputar vaga com Sérgio é covardia.

Perder para o melhor líbero do mundo não pode e não deve abalar a carreira dele.

Mas se tivesse que escolher um nome ou um destaque desses 5 jogos ficaria com Mauricio.

É injusto porque nem todos jogaram as 5 partidas e essa também não era a intenção de Bernardinho.

Mas Mauricio fez sua parte.

Jogou muita bola no segundo jogo e especialmente na quarta partida.           

Por Bruno Voloch às 13h59

28/09/2009

Levantador Ricardinho e atacante Leandro Vissoto começam com vitória no Campeonato Italiano

Jogando na cidade de Trento, o Trentino dos brasileiros Leandro Vissoto e Rapha, estreou com vitória no campeonato italiano temporada 2009/2010.

O Trentino derrotou o Latina por 3 sets 1, parciais de 25/17, 27/29, 27/25 e 25/17.

Vissoto marcou 14 pontos e Rapha com atuação discreta fez 4.

O ponta cubano Juantonera anotou 22 pontos. 

O Treviso do campeão olímpico Ricardinho teve muitas dificuldades para superar o Loreto.

A vitória no tie-break, parciais de 23/25, 22/25, 25/20, 25/18 e 15/11.

Fei terminou a partida com 21 pontos.

Pelo Loreto, o brasileiro Digão marcou 10 pontos.

Nos demais resultados, o Taranto perdeu em casa para o Piacenza por 3 a 1.

O cubano Marshall fez 20 pontos pelo Piacenza.

No Taranto, jogam os brasileiros Rivaldo, Cléber e Manius.

Rivaldo fez 24 pontos, Céber 18 e Manius ajudou com 6.

O Verona ganhou fora por 3 a 0 do Cuneo.

Em Modena, o Modena perdeu de virada para o Macerata por 3 a 2 e em Perugia o time da casa fez 3 sets a 2 no Gabeca.

A partida entre Pineto e Vibo Valentia foi adiada.
 

Por Bruno Voloch às 12h48

República Dominicana domina premiação da Norceca

A dominicana Priscilla Rivera foi eleita a MVP do torneio da Norceca.

Rivera fez 22 pontos na decisão contra Porto Rico.

Brenda Castillo também da República Dominicana se destacou com 3 prêmios.

A jogadora foi eleita a melhor defesa, melhor recepção e melhor líbero do torneio.

Cuba, terceira colocada, premiou duas jogadoras.

Nancy Carrilo foi a melhor bloqueadora e o Yanelis Santos o saque mais eficiente.

Nancy Metcalf dos Estados Unidos deixou a Norceca com o título de melhor atacante.

Porto Rico também foi premiado com duas jogadoras.

Aurea Cruz a maior pontuadora e Vilamarie Mojica a principal levantadora da Norceca.  

Por Bruno Voloch às 09h52

Cuba vira novamente contra os Estados Unidos e termina em terceiro lugar na Norceca

O que para muitos seria a decisão, acabou sendo a disputa pela medalha de bronze.

E a história da primeira fase se repetiu.

Novamente Cuba virou o jogo contra os Estados Unidos.

As norte-americanas abriram 2 a 0 com tranquilidade fazendo 25/17 e 25/16, dando a impressão que ganhariam com facilidade o jogo.

O terceiro set foi decisivo.

Cuba revertou a situação e ganhou com autoridade por 28/26, mudando completamente a partida.

O quarto set foi fácil para as cubanas que fizeram 25/16.

No tie-break, Cuba manteve o ritmo e foi superior não dando chance aos Estados Unidos.

A vitória aconteceu com a parcial de 15/8.

Wilma Salas fez 15 pontos e foi a maior pontuadora de Cuba.

A central Nancy Carrillo marcou 14.

Novamente, Nancy Metclaf deixou a quadra como melhor jogadora dos Estados Unidos anotando 17 pontos. 

 

Por Bruno Voloch às 09h35

De maneira invicta, República Dominicana conquista Norceca e se classifica para a Copa dos Campeões

A República Dominicana será a representante da Norceca na Copa dos Campeões.

Na decisão na cidade de Bayamon em Porto Rico, as dominicanas derrotaram Porto Rico por 3 sets a 2 conquistando pela primeira vez na história o título da Norceca.

A seleção da República Dominicana, dirigida pelo brasileiro Marcos Kwiek, não perdeu nenhuma das 5 partidas que disputou.

Porto Rico teve o jogo nas mãos, tanto que a República Domicana teve que salvar 4 match points no quarto set.

7.000 torcedores assisitiram a partida e vibraram no primeiro set quando Porto Rico abriu 1 a 0 com 25/19.

Com 25/23, as dominicanas empataram a partida no segundo set.

Porto Rico voltou melhor no terceiro set e fez 2 a 1 no jogo até certa tranquilidade com 25/16.

O quarto set foi dramático. Jogado a ponto a ponto.

Porto Rico esteve para fechar a partida e teve a chance em 4 oportunidades, mas as dominicanas evitaram.

E melhor.

Viraram o set com 32/30 levando a decisão para o quinto set.

As duas seleções haviam jogado tie-break na véspera contra Estados Unidos e Cuba.

A República Dominicana dominou o quinto set e fez 15/8 virando o jogo e conquistando a Norceca para tristeza de um ginásio lotado.

Priscilla Rivera e Bethania de la Cruz foram as destaques da República Dominicana com 22 pontos cada .         

 

 

Por Bruno Voloch às 09h26

27/09/2009

República Dominicana surpreende Estados Unidos e disputa título contra Porto Rico

Pela primeira vez na história, a República Dominicana pode conquistar a Norceca.

A seleção dirigida pelo brasileiro Marcos Kwiek, venceu os Estados Unidos também por 3 sets a 2 e vai disputar o título e uma vaga na Copa dos Campeões hoje contra Porto Rico que eliminou Cuba.

As norte-americanas abriram 1 a 0 com 25/21.

O segundo set foi vencido pela República Dominicana por 26/24, fundamental no jogo.

Os Estados Unidos arrasaram no terceiro set com incríveis 25/10.

No quarto set quando muita gente achava que os Estados Unidos iriam fechar a partida, a República Dominicana ganhou de 25/20.

No quinto set, os Estados Unidos jogaram fora duas chances de fechar o jogo.

Com 21/19, a República Dominicana liquidou a partida e manteve a invencibilidade na Norceca de 4 jogos.

A experiente Milagros Cabral marcou 20 pontos pela República Dominicana e Nancy Metcalf fez 25 pelos Estados Unidos.            

  

Por Bruno Voloch às 08h20

Porto Rico elimina Cuba e faz final da Norceca

Em jogo histórico e emocionante, com ginásio lotado em Bayamon, Porto Rico, a seleção da casa venceu Cuba por 3 sets a 2 e se classificou para a decisão da Norceca.

Cuba ainda não havia perdido na Norceca e vai disputar bronze, ficando fora da Copa dos Campeões.

A seleção de Cuba mais experiente abriu logo 1 a 0 fazendo 25/21.

Porto Rico virou o jogo com 25/23 e 25/17 ficando próximo da vaga na decisão.

Mas Cuba levou a partida para o quinto set ao vencer o quarto por 25/20.

O quinto set foi espetacular.

Jogado ponto a ponto.

No fim, depois de intensa disputa, Porto Rico fechou com 21/19 se classificando para a final.

O jogo teve duas horas de duração.

Aurea Cruz marcou 26 pontos para Porto Rico e foi fundamental na vitória.

Sarai Alvarez fez 19.

Nancy Carrilo fez 21 pontos e saiu como maior pontuadora cubana.

 

 

Por Bruno Voloch às 08h12

Sobre o autor

Carioca, tem mais de 20 anos de profissão. Iniciou a carreira na extinta TV Manchete em 1988. Foram 6 anos até ser contrato pela Band Rio em 1994. No ano seguinte estava no Sportv/Globo onde foi idealizador e apresentador do programa Supervolley. Atuou como repórter de 1995 até 2003, e participou da cobertura dos campeonatos brasileiros de 1995 a 2003 em jogos ao vivo. Em 2004 se transferiu para o Bandsports, onde criou e comandou os programas "Roda de vôlei "e Linha de 3". Foi apresentador e comentarista de vôlei e basquete do canal. Em 2008 acumulou a função de diretor de jornalismo até setembro de 2009. De 2007 até 2009 foi colunista da rádio Bandnews FM do Rio e trabalhou nos jornais Lance e Jornal dos Sports. Participou da cobertura de 3 Copas do Mundo, 3 Olimpíadas e das últimas 3 últimas edições do Pan. Hoje é colunista do Jornal do Brasil e comenta futebol para a Bandnews FM/Rio de Janeiro e rádio Terê FM/Rio de Janeiro. É especialista em vôlei.

Sobre o blog

Opinião e informação sobre o que de mais relevante ocorre no vôlei no Brasil e no mundo.

Histórico

© 1996-2009 UOL - O melhor conteúdo. Todos os direitos reservados.