Blog do Bruno Voloch

04/12/2009

Brasil Vôlei/São Bernardo pede "socorro" após abertura da Superliga

A estreia na superliga não foi das melhores. Derrota de 3 a 1 para o Pinheiros, mas nada que possa abalar o otimismo da comissão técnica do São Bernardo que ainda procura se organizar após a saída do jogador Dante.

O que mais preocupa os dirigentes no momento é a falta de patrocínio.

Responsável por revelar nomes como Gustavo, Ricardinho, Rodrigão, Murilo, Marcelo Negrão e Giovane, a peneira do Brasil Vôlei /São Bernardo (ex-Banespa e ex-Santander) correr risco de acabar. O motivo é justamente a falta de patrocínio.

Apoiando o esporte desde 1983, o banco decidiu encerrar as atividades em agosto deste ano, porém o Santander vai continuar bancando os custos até o fim da superliga 2009/2010.

Com responsabilidade e credibilidade de anos, o clube prefere não realizar a peneira sem a certeza de que o projeto com as equipe aduta irá continuar após Maio de 2010. 

A peneira do extinto Banespa é uma das mais tradicionais do País e recebe jovens de todas as regiões do Brasil.  O custo mensal para manter um atleta de base, segundo o clube, é de R$ 4.500,00.

Além do salário, o clube ainda tem bolsa de estudo integral, moradia, alimentação, transporte e demais auxílios. 

Desde 1983, 20 mil jovens passaram pela peneira. Em 2008 mais de 600 candidatos de todo o Brasil participaram do processo de seleção. Dois inclusive  foram selecionados para integrar a equipe juvenil do Brasil Vôlei e 10 estão na infanto-juvenil

São Bernardo é campeão juvenil do estado e vice infanto-juvenil.

No atual time adulto, os opostos Renan e Najari, o ponta Ygor e o meio-de-rede Isac foram alguns dos que participaram da peneira nos últimos anos.

 

Por Bruno Voloch às 14h18

Nos números, Santo André curte liderança da Superliga após a primeira rodada

É cedo, muito cedo ainda, mas curiosamente o time de Santo André é o líder após a disputa da primeira rodada da superliga.

O time comandado pelo experiente Marcelo Madeira derrotou por 3 sets a 0 a frágil equipe do Volta Redonda fora de casa sendo o único conseguiu vencer sem perder nenhum set.

Santo André volta a jogar em Vitória no próximo sábado contra o time da casa.

O Pinheiros, mesmo com Giba no banco, venceu São Bernardo por 3 sets a 1. Dante faz muita falta ao time de Rubinho e São Bernardo precisa urgente se reforçar nessa posição. Marcelinho jogou solto como nos bons tempos e foi feliz ao dizer que a vitória dá um pouco de tranquilidade ao time para trabalhar.

O Sesi de Giovane Gávio conseguiu um ótimo resultado derrotando o campeão mineiro Montes Claros fora de casa. Inpressionante foi a parcial de 39/37 no quarto set que determinou a vitória do atual campeão paulista.

O Minas de Marcos Pinheiros suou mas venceu por 3 a 1 Blumenau.

A Cimed mostrou força e poder de reação no jogo contra o bom Sada/Cruzeiro. Depois de abrir 2 a 0 o time da Cimed se perdeu, estava sendo surpreendido mas teve forças para ganhar o tie-break e evitar uma supresa em casa logo na abertura. Sada vai dar muito trabalho e este Marcelo Mendez parece ser mesmo diferenciado como treinador.

Vôlei Futuro e São Caetano ganharam de 3 a 1 seus jogos mas não foram ameaçados por Brasília e Vitória. Cuiabá fez um jogo muito equilibrado com Lupo/Náutico e vale o registro da vitória por 3 a 2 com 23/21 no quinto set.  

Por Bruno Voloch às 09h53

Kosheleva é destaque mais uma vez porém não evita derrota do Odintsovo

A russa Tatiana Kosheleva segue "carregando nas costas" o time do Odinstovo, mas dessa vez nem ela conseguiu evitar a derrota.

Na estreia da equipe na Champions League 2009/2010, o Odintsovo mesmo jogando em casa perdeu de 3 sets a 2 para o Novara da Itália.

As parciais foram de 17/25, 27/25, 20/25, 25/18 e 10/15.

O resultado foi ruim porque o Novara atuou sem sua principal jogadora, a holandesa Manon Flier.  Ela foi substituída pela alemã Kozuch que terminou o jogo como maior pontuadora com 26 pontos. A norte-americana Logam Tom fez 23.

Pelo Odintsovo, novamente Kosheleva se destacou fazendo 23 pontos com 17 ataques, 5 bloqueios e um de saque. Olga Fateeva marcou 18 e Paula Pequeno ficou apenas como a terceira pontuadora marcando 17.

Walewska fez um ponto de bloqueio em 5 sets e mais 4 de ataque. 

Por Bruno Voloch às 09h20

03/12/2009

Gritar faz parte do jogo e Adenízia está absolvida

A primeira partida da decisão entre Pinheiros e Osasco foi marcada pelo equilíbrio. 3 sets a 2 para Osasco que está a uma vitória do nono título consecutivo.

Mas vejo que muita gente está comentando a atitude da jogadora Adenízia. Sinceramente, não achei nada demais, mas ela poderia ter evitado se assim desejasse.

Gritar ou berrar faz parte do jogo, desde que não seja direto na cara o adversário. É muito fácil escrever, mas precisamos compreender o que se passa na cabeça do atleta na hora da final.

Evidente que existem rivalidades e rixas antigas no vôlei. Como esquecer de Brasil e Cuba no feminino e os mesmos brasileiros e cubanos no masculino na década de 80/90. Hoje Brasil e Italia no masculino.

Faz parte e a rixa se cria com o tempo e normalmente vem das categorias de base. Mas ela também pode surgir através de um ato que o adversário interprete de maneira errada ou como uma provocação.

O troco nesse caso é questão de tempo.

Vibrar direcionado para quem está na rede é motivo de punição pela arbitragem. Vibrar após um ponto de ataque ou bloqueio com os companheiros de costas para o adversário seria o ideal, mas as vezes é inevitável.

Adenízia gosta, fazer o que ?

Mas é preciso saber aguentar o tranco. Quem provoca precisa depois saber aceitar as provocações e não perder a cabeça como fizemos várias vezes contra Cuba.

Elas só sabem jogar dessa forma, é diferente. Nós não jogamos assim e quando fazemos normalmente perdemos, literalmente.

Me lembro de um jogo entre duas equipes na superliga na década de 90 em que Ana Mozer e Virna se estranharam na rede após Virna ter berrado na cara de Ana Mozer. Vi a cena de perto pois trabalhava como repórter na época.

O resultado é que Virna saiu do jogo, pois não suportou a pressão e Ana Mozer se transformou naquela ocasião.

Muitas vezes essas atitudes são impensadas.

Por isso não recrimino Adenízia. É uma jovem que se sente bem jogando dessa forma. Berra, grita, mas como maneira de se manter motivada nos jogos.

Pode ser que um dia ela mude, mas acho difícil. Aliás ela não deveria mudar.

Acostumei a assistir Adenízia atuar dessa forma e confesso que me agrada desde que ela não passe dos limites e não leve a coisa para o lado pessoal.

Por Bruno Voloch às 13h02

CBV atropela estatuto do torcedor antes da primeira rodada

A superliga masculina começa hoje com uma série de perguntas no ar sem ainda sem respostas.

A CBV segue e silêncio aguardando o momento certo, na opinião deles, de se pronunciar.

Mas é inacreditável a maneira como a entidade se comporta diante das mudanças impostas pelos clubes e pela televisão.

A CBV não se impõe e fica submissa.

Como se não bastasse a confusão envolvendo as passagens aéreas, hotel e os deslocamentos terrestres, a CBV simplesmente ignora o estatuto do torcedor aceitando essas mudanças de datas, horário e também local das partidas desrespeitando o prazo estipulado.

Isso sem falar no regulamento que não foi divulgado com o prazo exigido.

É direito do torcedor que o regulamento, as tabelas da competição e o nome do Ouvidor da Competição sejam divulgados até sessenta dias antes de seu início.

E dessa vez as mudanças começam antes mesmo do início do campeonato. Na temporada passada foram mais de 30 alterações, acreditem.

A CBV divulgou o seguinte comunicado :

Em virtude de ação promocional, o local do jogo entre Ulbra/São Caetano (SP) e Cimed/Malwee (SC) foi alterado. A partida será disputada no ginásio do Centro Esportivo "Delenice", em São Caetano do Sul (SP), e não mais no ginásio Lauro Gomes. O confronto será disputado no dia 11.12 (sexta-feira), a partir das 21h, com transmissão ao vivo do canal Sportv. De: Ginásio Lauro Gomes , para: Ginásio do Centro Esportivo "Delenice"

Todos os jogos que a equipe do Lupo/Náutico/Let´s (SP) sediaria (nº 20, 28, 48, 56, 79, 98, 102, 127, 134, 139, 148, 171, 180, 205, 211 e 243) tiveram seus locais alterados. O ginásio da Pista não foi aprovado em vistoria técnica e as partidas serão disputadas no ginásio Gigantão, em Araraquara (SP).

Por causa da definição de transmissão do canal Sportv, a partida entre Unilever e Blausiegel/São Caetano teve seu dia e horário alterados. Agora, o jogo será realizado no dia 10.01 (domingo), a partir das 12h, no ginásio do Maracanãzinho.

Tem mais. Em virtude da ação promocional, o horário e o local da partida entre São Bernardo e Mackenzie/Newton Paiva foram alterados. O confronto será disputado no ginásio Adib Moyses Dib e não mais no Baetão e será realizado a partir das 18h e não mais às 19h. O confronto será realizado no dia 14 de janeiro de 2010.

Com mais clubes a tendência é que o recorde de alterações seja batido ainda no primeiro turno.

Passaram por cima do estatuto sem cerimônias e o pobre do torcedor que se vire para procurar quando e onde assistir os jogos.

Ninguém se pronuncia ...

Por Bruno Voloch às 10h11

Quando resolveu jogar, após perder dois sets, Osasco fez seu papel

O Pinheiros foi guerreiro e valorizou demais a vitória do time de Osasco.

Osasco teve muitas dificuldades nos dois primeiros sets e foi mesmo surpreendido pelo volume de jogo e principalmente pela disposição das jgadoras do Pinheiros.

O Pinheiros fechou no sufoco com duas parciais de 26/24. Destaco Fernanda Garay e Lia. Vi Fabíola agressiva e usando mais as pontas do que o meio. Fernanda Garay estava inspirada e atacando com muita velocidade. Jú foi inconstante na partida e as centrais pouco acionadas.

Mas era questão de tempo para Osasco voltar a partida. E fez isso já no terceiro set, aliás tinha que ser no terceiro set. Luizomar manteve Isadora no lugar de Natália, mas já neste set Jaqueline e Adenízia foram determinantes.

O quarto set foi uma espécie de aquecimento para o tie-break. Osasco ganhou como quis e entrou ainda mais forte para o quinto set.

No tie-break a maior experiência do Osasco prevaleceu. Adenízia continuou ótima no fundamento bloqueio, Thaísa aparaceu em momentos decisivos e Jaqueline defendeu e atacou com a categoria de sempre.

Incrível como ela cresce e gosta de jogar nessas horas.

Vitória justa e merecida, que poderia ser mais tranquila se Osasco tivesse tido mais concentração e a mesma disposição desde o início. 

A série está aberta, mas deve ser fechada sábado em Osasco.

Por Bruno Voloch às 09h44

02/12/2009

Osasco tem obrigação de conquistar o título paulista

Começa daqui a pouco a decisão do paulista feminino entre Osasco e Pinheiros.

O campeonato pode ser dividido em duas partes. A primeira parte sem a participação das jogadoras da seleção e a segunda já com a presença delas.

O Pinheiros fez bem sua parte, aproveitou os desfalques de São Caetano e Osasco e terminou em primeiro na fase de classificação. Mérito para as jogadoras e a comissão técnica.

Mas agora a realidade é bem diferente. O investimento feito pelo Osasco foi infinitamente maior, o que diga-se de passagem não garante nada, mas aumenta e muito a responsabilidade.

O conjunto é o ponto forte desse time do Pinheiros e destaco a boa fase da levantadora Fabíola e da oposta Lia. A única derrota sofrida foi justamente para o Osasco ainda na fase de classificação. Osasco chega para a decisão com 4 derrotas.

A tradição também conta nessas horas. O Pinheiros ganhou somente um título paulista até hoje que foi em 1999. Lá se vão 10 anos de jejum.

Osasco tenta o nono título consecutivo e tem a obrigação de ganhar novamente. É mais time em todos os sentidos e joga com 4 campeãs olímpicas :

Sassá, Carol, Thaísa e Jaqueline.

São jogadoras experientes e acostumadas a decisão. Aliás, algumas jogadoras desse time crescem e gostam de aparacer sempre nesse momento que é de fato o mais gostoso para o jogador.

Mas não posso esquecer da boa fase de Natália e Adenízia.

Esse papo de que o Pinheiros é favorito porque terminou em primeiro e está jogando junto desde o início é conversa fiada. Ninguém de Osasco pode ter a coragem de dizer que o Pinheiros é o favorito. Sem demagogia. 

Deixo claro que respeito demais o time feminino do Pinheiros e seus integrantes, mas o favorito é Osasco e as jogadoras e a comissão técnica sabem que não podem deixar escapar o título.

Por Bruno Voloch às 14h57

CBV não pode esconder a verdade e precisa se pronunciar

Procuro entender, ser compreensivo, mas está complicado.

A CBV fez uma bonita festa de lançamento da superliga no início da semana em São Paulo. Tudo afinado, arrumado, discurso ensaiado, mas alguns clubes seguem insatisfeitos e revoltados com entidade.

A CBV tem obrigação de explicar o porque decidiu bancar passagens aéreas somente de 13 atletas deixando todas as comissões técnicas de fora. Vejo isso como um absurdo e um desrespeito com alguns profissionais.

O treinador é importante, mas e o assistente técnico, preparador físico, fisoterapeuta, massagista, entre tantos outros que ajudam a colocar os atletas em condição de jogo ?

Sei que o Presidente Ary Graça está empenhado em resolve a questão, mas não pode baixar uma determinação dessas sem saber a realidade financeira das equipes.

E mais. Essa história de que consta no regulamento que a equipe que abandonar a superliga “estará automaticamente suspensa por um ano e impedida de participar de qualquer jogo oficial, amistoso nacional ou internacional e responderá pelos prejuízos financeiros que causar”, é pura balela.

O problema pode ser resolvido facilmente na justiça. Qualquer juiz daria ganho de causa aos clubes, uma vez que o próprio Presidente da CBV declarou em Abril desse ano que o contrato com a CVC estava renovado por mais uma temporada.

Não é necessário ser um grande administrador ou especialista em situações financeiras para saber que todos os times fizeram seus orçamentos baseados no que foi dito por Ary Graça.

Agora de uma hora para outra vão ter que desembolsar mais 80 mil reais do que estava previsto. E ainda são ameaçados ?

Quem paga essa conta ?

A CBV deve se cuidar e ao invés de ameaçar os clubes se precaver para ela própria não ter ações na justiça no futuro.

Posso garantir que existem pelo menos 7 equipes que pretendem ainda desisitir do torneio.

O mais grave ainda está por vir.

Como escreveu o repórter do UOL Rafael Krieger, o Sada/Cruzeiro bateu de frente com a CBV e agora terá que pagar literalmente as contas.

Os dirigentes do Sada apenas questionaram os termos do pré-acordo com a CVC e a CBV em represália deixou o clube de fora do esquema de custeio das 13 passagens.

Uma vergonha. Em que mundo vivemos ?

Onde está a democracia ?

Alguém na CBV precisa urgente se pronunciar sobre o assunto. 

Mas nessa hora é difícil encontrar alguém disposto a perder o emprego.  

 

Por Bruno Voloch às 14h25

30/11/2009

Thaísa rouba a cena na vitória do Osasco

A idéia era comentar taticamente o jogo e a vitória do Osasco sobre São Caetano nesse fim de semana. O resultado que garantiu ao time de Luizomar de Moura o direito de decidir o campeonato paulista contra o Pinheiros.

Eis que no fim do jogo, ao ser entrevistada, Thaísa assume inteiramente a responsabilidade pela derrota na segunda partida, sem importância alguma naquela altura da entrevista concedida.

Olha, me impressiona o amadurecimento dessa jogadora, digna de registro.

Não é para qualquer jogadora numa entrevista se desculpar e mais, assumir a culpa por uma derrota dizendo que "não jogou nada". Aliás, sem a menor necessidade até porque ela não foi a culpada pelo resultado negativo.

Não me recordo de algo semelhante no esporte nos últimos tempos. Que coragem e personalidade.

E pensar que tem gente no meio do esporte que se sente acima do bem e do mal. Gente que não admite ser criticada e se sente eternamente perseguida. Que belo exemplo esse seu, Thaísa aos 22 anos de idade.

Trata-se uma campeã olímpica que surgiu no Tijuca no Rio de Janeiro, passou pelo Minas, mas que já mostrava personalidade quando atuava pelo extinto Rexona e trocou sem sem cerimônias o time carioca pelo maior rival, o Finasa/Osasco em busca de novos desafios.

Peço desculpas a Jaqueline e Natália que jogaram bem e foram fundamentais na vitória contra São Caetano, mas não poderia deixar passar em branco um declaração tão corajosa como essa.

Com essa linha de raciocínio e pensamento, entendendo sempre as critícas como construtivas, você vai ainda mais longe Thaísa.

Por Bruno Voloch às 10h44

Ainda na Itália, Jesi de Sokolova perde mas segue líder com 18 pontos

Surpresa na sétima rodada do italiano feminino.

O Jesi de Lioubov Sokolova perdeu fora de casa para o modesto Pavia por 3 sets a 2. Sokolova ainda assim foi a MVP do jogo e fez 23 pontos ao lado da italiana Rinieri.

O Pavia é agora o oitavo colocado com 8 pontos.

O Bergamo também foi surpreendido e jogando em casa. Sem contar com a levantadora Lo Bianco o time perdeu para o Urbino por 3 a 2 com 19/17 no quinto set. O Urbino agora é o quinto colocado com 11 pontos.

Furst fez 21 pontos, mesma pontução de Del Core. O Bergamo ainda está em segundo com 15 pontos.

Nos demais jogos, com 25 pontos de Carolina Costagrande o Pesaro derrotou o Novara de Manon Flier por 3 a 1 e chegou aos 15 pontos.

O Novara decepciona e está apenas na sétima colocação com 8 pontos.

O Busto Arsízio de Fernandinha ganhou fora de casa do Perugia por 3 a 2 e assumiu o sexto lugar com 10 pontos.

Na parte debaixo da tabela, a brasileira Soninha marcou 19 pontos na vitória do Castellana Grote sobre o Conegliano. O Grote tem agora 6 pontos e está em penúltimo.

O Villa Cortese bateu o Piacenza por 3 a 1 e também tem 15 pontos. 

 

 

 

Por Bruno Voloch às 09h53

Trentino de Vissoto abre 5 pontos na liderança do campeonato italiano

O Trentino de Leandro Vissoto e Raphael conseguiu mais uma vitória no campeonato italiano.

Em casa, o time derrotou o Pineto do brasileiro Royal por 3 sets a 0 e manteve uma invencibildade de 11 jogos.

Com esse resultado o Trentino chegou aos 32 pontos abrindo 5 de vantagem sobre o Modena que está em segundo lugar.

Vissoto marcou 14 pontos, Raphael começou no banco e Riad nem entrou na partida.

O Taranto de Rivaldo, Cléber e Manius ganhou de 3 a 1 do Loreto com parciais de 22/25, 25/18, 25/23 e 25/23. Rivaldo fez 20 pontos e Cléber marcou 15.

O Cuneo fora de casa bateu o Macerata de Dentinho por 3 a 1 com destaque para o búlgaro Nikolov que fez 17 pontos.

Com 27 pontos de Zlatanov o Piacenza derrotou o Perugia também por 3 a 1. João Paulo Bravo fez 8 pontos pelo Piacenza.

O Sisley Treviso ganhou de virada do Monza por 3 sets a 1. Ricardinho fez 6 pontos, Alessandro Fei e Papi marcaram 12 pontos cada.

Em Modena, o time da casa superou o Vibo Valentia por 3 a 0 e fechando a rodada o Verona superou o Forli por 3 a 1.

Após 13 rodadas, o Trentino lidera com 32 pontos. Modena e Cuneo estão em segundo lugar com 27 pontos e Treviso e Piacenza empatados em quarto lugar com 25 pontos. O Macerata aparece em sexto com 22 pontos, Verona em sétimo tem 20 pontos e Perugia e Monza estão em oitavo lugar com 19 pontos. O Vibo Valentia, único time que derrotou o Trentino, é apenas o décimo colocado com 17 pontos.

Por Bruno Voloch às 09h34

Tatiana Kosheleva é destaque e Odintsovo está nas finais da Copa da Rússia

O Zarechie Odintsovo de Paula Pequeno e Walewska está no Final Four da Copa da Rússia.

O Odintsovo derrotou neste fim de semana Dínamo Krasnodar por 3 sets a 1, com parciais de 25/22, 25/23, 22/25 e 25/22.

Tatiana Kosheleva e Olga Fateeva foram as maiores pontuadoras do time com 22 pontos cada.

Kosheleva fez 17 pontos de ataque e cinco pontos de bloqueio. Fateeva 15 de ataque, 6 bloqueios e 1 de saque.

Paula Pequeno marcou 18 pontos de ataque e a Walewska fez 6 pontos sendo que 5 de ataques e 1 bloqueio. 

O Final Four será jogado entre os dias 20 e 22 de Dezembro e contará com o Odintsovo, Dínamo Moscou, Uralochka e o Omsk.

O blog fez contato com Paula Pequeno que não retornou a ligação. 

Por Bruno Voloch às 09h03

Sobre o autor

Carioca, tem mais de 20 anos de profissão. Iniciou a carreira na extinta TV Manchete em 1988. Foram 6 anos até ser contrato pela Band Rio em 1994. No ano seguinte estava no Sportv/Globo onde foi idealizador e apresentador do programa Supervolley. Atuou como repórter de 1995 até 2003, e participou da cobertura dos campeonatos brasileiros de 1995 a 2003 em jogos ao vivo. Em 2004 se transferiu para o Bandsports, onde criou e comandou os programas "Roda de vôlei "e Linha de 3". Foi apresentador e comentarista de vôlei e basquete do canal. Em 2008 acumulou a função de diretor de jornalismo até setembro de 2009. De 2007 até 2009 foi colunista da rádio Bandnews FM do Rio e trabalhou nos jornais Lance e Jornal dos Sports. Participou da cobertura de 3 Copas do Mundo, 3 Olimpíadas e das últimas 3 últimas edições do Pan. Hoje é colunista do Jornal do Brasil e comenta futebol para a Bandnews FM/Rio de Janeiro e rádio Terê FM/Rio de Janeiro. É especialista em vôlei.

Sobre o blog

Opinião e informação sobre o que de mais relevante ocorre no vôlei no Brasil e no mundo.

Histórico

© 1996-2009 UOL - O melhor conteúdo. Todos os direitos reservados.