Blog do Bruno Voloch

27/11/2010

Superliga feminina começa com os erros de sempre, muitos coadjuvantes e provável final de sempre

Ofuscada pelas finais do campeonato paulista, a superliga feminina começa com o jogo entre Uberlândia e Mackenzie. "Grande jogo".

Assim como aconteceu na superliga masculina, os dirigentes se precipitaram e abrem a competição numa data errada. Seria muito mais simples esperar a decisão do paulista acontecer e depois iniciar o torneio.

A CBV errou novamente. Essa primeira rodada será 'quebrada' com apenas um jogo no sábado, dois no domingo, um na terça e dois em dezembro, isso mesmo, em dezembro.  Sem comentários para a imaginação fértil dos elaboradores da tabela.

12 times estarão brigando pelo título, ou melhor, 12 times jogarão a superliga. Dessas 12 equipes, apenas 3 delas podem sonhar com a conquista. Rio de Janeiro, Osasco e Vôlei Futuro. Com muita boa vontade, poderia incluir o Pinheiros nessa lista, mas é provável que o time 'morra' novamente nas semifinais.

Por sinal, já temos definidas as semifinais. Rio, Osasco, Vôlei Futuro e Pinheiros. As outras 8 equipes são coadjuvantes e vão disputar 4 vagas para a segunda fase da superliga.

Dos coadjuvantes, vejo com bons olhos o time de São Bernardo. É bem comandado, possui boas e experientes jogadoras e pode aprontar algumas zebras pelo caminho. Uberlândia também segue a mesma linha e o Mackenzie viria logo atrás. O tradicional Minas se chegar entre os 8 pode agradecer e ficará com a sensação do dever cumprido.

E no grupo da frente ?

Bem, no grupo da frente, acho ainda o Rio de Janeiro bem forte. O desfalque de Mari será sentido e o time pode perder a briga pela primeira colocação na fase de classificação justamente pela ausência dessa jogadora. Mari só deve voltar a jogar em meados de Fevereiro e o Rio não tem uma substituta para Mari. Sheilla é o grande nome da companhia.

Osasco, base da seleção, tem um timaço. Vejo Osasco e Rio em igualdade de condições quando Mari voltar. Sem Mari, Osaco é melhor. Nenhum time do Brasil tem duas centrais tão fortes como Osasco, Carol segue jogando bem, Natália e Jaqueline voando e Camila Brait forte no fundo de quadra.

Se der a lógica, esses dois times fazem novamente a decisão.

Apesar do investimento pesado, o Vôlei Futuro ainda é uma incógnita. Tem a melhor líbero, duas boas levantadoras, Fabiana, Paula e Joycinha. São todas jogadoras de ponta, mas ainda prefiro esperar para ver esse time em ação. O Vôlei Futuro deve sofrer ainda um bom tempo com a falta de entrosamento e a relação de William com as jogadoras é algo imprevisível. William tem capacidade, sabe treinar e orientar o time, mas voltará a trabalhar após vários anos com jogadoras de seleção e de personalidade forte. Paula tem obrigação de desequilibrar na frente e Stacy Sycora atrás.

O Pinheiros é o azarão da história. O trunfo está no banco com a presença de Paulo Coco. O time sabe de suas limitações, mas supera as adversidades na base do entrosamento e da determinação. Esse espírito coletivo pode até levar o Pinheiros para uma eventual decisão, mas normalmente ficará pelo caminho nas semifinais. Fabíola, levantadora da seleção, pode e deve ser cobrada como estrela principal do Pinheiros.

12 times, os erros de sempre no regulamento, mudanças de data e horário em todas as rodadas e o provável encontro entre Rio e Osasco na final. A única diferença é que a decisão será em Belo Horizonte e infelizmente em partida única.       

Por Bruno Voloch às 09h25

26/11/2010

"Dia da vergonha' faz nova vítima e Bulgária demite treinador Silvano Prandi

A 'marmelada' no jogo entre Brasil e Bulgária continua fazendo vítimas.

A federação búlgara não deixou o episódio passar em branco e decidiu demitir o treinador Silvano Prandi.

O italiano Silvano Prandi tinha assumido a seleção da Bulgária no ano passado. Os dirigentes disseram que os resultados nas últimas competições ficaram aquém das expectativas. A Bulgária terminou o mundial apenas na sétima colocação

Normalmente os treinadores completam o ciclo olímpico, mas Prandi ficou pouco mais de um ano no cargo.

Apesar da justificativa da campanha ruim para a demissão, o comentário na imprensa local é que Prandi caiu mesmo porque optou em escalar o time reserva na partida contra o Brasil pela segunda fase do mundial da Itália. 

A Bulgária também jogou para perder, mas o Brasil usou da mesma 'tática', foi mais 'eficiente' e conseguiu sair derrotado por 3 a 0.    

Inconformados, os dirigentes decidiram demitir Prandi dando um grande exemplo ao esporte.

A suposta 'marmelada' foi negada por Bernardinho recentemente, mas confirmada no dia da decisão pelo líbero Mario Jr.

Radostin Stoychev foi escolhido como novo técnico da seleção. Stoychev é respeitado no mundo inteiro e ganhou duas vezes a Champions League comandando o Trentino. Foi ele também que dirigiu o clube italiano na conquista do mundial de clubes em 2009.

Stoychev vai acumular a função de treinador do Trentino e da seleção e seu contrato terá duração de dois anos.  

 

 

Por Bruno Voloch às 14h17

Fenerbahce atropela Bergamo pela Champions League

O Bergamo pagou caro o preço por escalar um time de reservas na estreia na Champions League.

Jogando em casa e contando com o apoio da torcida, o Fenerbahce não tomou conhecimento do tradicional adversário e venceu por 3 sets 0 com parciais de 26/24, 25/23 e 25/18.

O Bergamo optou em não escalar a equipe principal e entrou em quadra apenas com uma titular. E foi justamente a central Nucu a maior pontuadora do time italiano com 15 pontos. Piccinini, Lo Bianco, Ortolani e Arrighetti foram poupadas.

Pelo time turco, o treinador José Roberto Guimarães usou todas as estrangeiras. Sokolova, Fofão, Skowronska e a alemã Fürst participaram do jogo.

Estrela do time de futebol, o meio campo Alex acompanhou a partida no ginásio e depois do jogo fez questão de cumprimentar as jogadoras no vestiário.

Pelo outro jogo do grupo B, o Dínamo de Moscou derrotou por 3 a 0 o Zok Split da Croácia.      

Por Bruno Voloch às 09h36

25/11/2010

Sob comando de Zé Roberto, Fenerbahce estreia na Champions League

O treinador campeão olímpico e vice mundial com a seleção feminina, José Roberto Guimarães, faz hoje sua estreia oficial no comando do Fenerbahce da Turquia.

O time enfrenta em Istambul a forte equipe do Bergamo da Itália.

O técnico brasileiro deve escalar o Fenerbahce com a força máxima. Todas as estrangeiras, entre elas Fofão, devem começar a partida. O Fenerbahce conta no elenco com jogadoras de ponta como a alemã Fürst, a russa Sokolova, a polonesa Skowronska e a croata Osmokrovic.

O regulamento do campeonato turco permite a escalação de no máximo 3 estrangeiras por jogo. Na Champions League a regra é diferente e as equipes podem usar todas as jogadoras. 

Do outro lado da quadra vão estar Francesa Piccinini, Lo Bianco, Ortolani e Arrighetti da seleção italiana.  

Ainda pelo grupo B, jogam hoje Dínamo de Moscou e Zok Split 1700 da Croácia. No Dínamo atuam Carolina Costagrande, a russa Goncharova e a italiana Gioli. A levantadora brasileira Marcelinha joga pelo Split da Croácia. O time croata é comandado por Ângelo Vercesi.

Fenerbahce e Bergamo decidiram a última Champions League com vitória das italianas na decisão. 

Por Bruno Voloch às 08h58

Nem Fabiana, nem Paula Pequeno. Com status de melhor do mundo, Sykora será a estrela do Vôlei Futuro

Fabiana e Joycinha acabaram de chegar da seleção brasileira com a medalha de prata do mundial. O Vôlei Futuro conta ainda com Paula Pequeno.

As 3 jogadoras por razões óbvias e contratuais já estão jogando pelas semifinais do campeonato paulista. Embora desentrosadas, ajudaram o time na vitória de 3 a 1 contra o bom time de São Bernardo.

Não tenho nenhuma dúvida de que o Vôlei Futuro será finalista do campeonato paulista. Nesse caso, o time estará atingindo a primeira meta traçada pela diretoria que era disputar as finais dos principais campeonatos. Mas entre estar na decisão e ganhar a diferença é grande.

Porém com as chegadas de Alisha Glass e Stacy Sykora o cenário muda completamente. Alisha só deve mesmo atuar na superliga. A levantadora norte-americana precisa de tempo para conhecer as futuras companheiras e buscar o entrosamento ideal.

Mas o grande reforço do Vôlei Futuro para a superliga é Stacy Sykora. Essa jogadora é capaz de fazer a diferença para a equipe de Araçatuba.

Stacy é longe a melhor líbero do mundo e bota no bolso as líberos que jogarão o brasileiro. Stacy tem muita personalidade, passa, defende e assume efetivamente o fundo de quadra.

William estava inspirado quando sugeriu a contratação dessa atleta. Experiente, William sabe das deficiências de seu time e por isso priorizou Stacy Sykora. Uma boa líbero faz toda a diferença nos jogos mais equilibrados.  

Stephany não deve se abater com a chegada de Stacy. A atual líbero do Vôlei Futuro tem muito o que aprender e crescer com a chegada de Stacy e o convívio com ela. Stephany será peça importante no banco e não pode se descuidar da forma física.

Após tantas contratações equivocadas de alguns times brasileiros nos últimos anos, o Vôlei Futuro acertou o alvo em cheio.

Mas os torcedores devem ter cautela. 

Ter um time recheado de estrelas e jogadoras de ponta não é sinônimo de vitória. Temos vários exemplos na história do esporte de clubes que reuniram jogadoras consagradas e não arrumaram nada. Cabe ao treinador saber domar essas feras juntas.

Se tiver a capacidade para isso, terá meio caminho andado. Controlar a vaidade do ser humano não é fácil, ainda mais no vôlei feminino e com o elenco que o Vôlei Futuro formou. Não é preciso dar nomes, está implícito.

Vaidades à parte e com o devido respeito que algumas jogadoras de seleção do Vôlei Futuro merecem, a estrela da companhia chegou e tem nome:

Stacy Sykora. 

           

Por Bruno Voloch às 08h06

24/11/2010

Ana Maria, levantadora de Uberlândia, quer mostrar na superliga que pode ser convocada para a seleção

O 'buraco' segue aberto e as candidatas aparecendo.

Fabíola terminou o mundial como titular e Dani Lins no banco, mas ficou nítido após a competição que a seleção ainda não encontrou a levantadora ideal.

A jogadora do Pinheiros com a sequência de jogos, mais experiência e futuras convocações, possa talvez evoluir e se firmar em 2011. Dani Lins deve aproveitar essa superliga para tentar recuperar a autoestima perdida na seleção. Potencial tem de sobra.

Como 2011 será um ano de muitas observações, várias levantadoras se sentem no direito de sonhar com uma oportunidade na seleção. O sonho pode se tornar realidade depois das declarações dadas pelo treinador José Roberto Guimarães. O técnico disse que deve formar uma seleção B em 2011 e dar espaço a jogadoras que normalmente não seriam chamadas para a seleção.

Seleção A ou B pouco importa para a carioca Ana Maria Gosling. Ana está com 25 anos e jogará a superliga por Uberlândia. A jogadora disse ao blog que seleção muitas vezes não é merecimento:

"Tem muita atleta que se doa ao máximo, mas infelizmente não consegue atingir o nível para jogar na seleção. Isso não significa que a jogadora não mereça ser convocada". 

De personalidade forte, Ana assumi que gosta de jogar na pressão, diferente de muitas jogadoras:

"Quanto mais pressão melhor. Sempre foi assim com as levantadoras e não será nunca diferente. Estamos acostumadas com essa pressão e me sinto à vontade. Sei que a responsabilidade da levantadora é maior ainda e é indiferente estar jogando em um time de ponta ou não. A pressão vai sempre existir".

Ana elogia as duas levantadoras que foram ao mundial:

"A Fabíola conheço bem. Fui reserva dela 2 anos em São Caetano. É uma jogadora guerreira demais, batalhadora, não tem bola perdida e merece a chance que teve. Usa muito as mãos e evita ir de manchete na bola. A Dani também. Acho que a Dani uma levantadora alta, forte e não deve se abater pelo fato de ter sido reserva no mundial. Ela foi muito importante nos títulos do Rio."

Apesar da concorrência, Ana Maria cita Ana Cristina e Roberta como boas opções:

"A Ana Cristina joga muito rápido, saca bem e defende também. A Roberta é alta e tem futuro."

Ana Maria Gosling diz que não vai mudar sua forma de jogar:

"Minha dedicação será a mesma, mas claro que a motivação aumenta com a chance de ser observada. Fico feliz e encaro como mais um desafio na minha carreira"

O time de Uberlândia será comandado por Boni, um dos homens de confiança de Zé Roberto na seleção. Ana acha que esse aspecto é positivo:

"Sem dúvida. O Boni deve cobrar no time o que o Zé cobra das meninas na seleção. Essa proximidade é positiva para mim".

O blog perguntou para Ana quais seriam suas virtudes e defeitos. Visivelmente sem graça, mas bem humorada, Ana respondeu:

"Pergunta complicada, ainda mais ficar falando da gente. Mas diria que eu jogo com muita velocidade, paciência e sei ser cobrada. Preciso melhor muita coisa. Defesa, bloqueio e concentração".

Ana Maria tem 1,79 de altura e espera efetivamente provar em quadra que merece uma chance na seleção:

"Todo atleta treina para isso e sinceramente espero mostrar nessa superliga que mereço uma oportunidade. Quero e vou jogar bem e se a consequência for a convocação, ótimo".

Com Ana em quadra, Uberlândia faz seu primeiro jogo na superliga no próximo sábado em casa contra o Mackenzie.                     

 

  

Por Bruno Voloch às 15h49

23/11/2010

Futuro de Massimo Barbolini no comando da Itália ainda é incerto

Durante a apresentação oficial do campeonato italiano, o Presidente da federação italiana, Carlo Magri, confirmou que a entidade deseja que o treinador Massimo Barbolini continue como técnico da seleção feminina.

Magri disse que apesar da campanha irregular no mundial do Japão, a federação acredita que a seleção ainda pode evoluir e brigar pela inédita medalha de Ouro nos jogos olímpicos de Londres em 2012.

Segundo o dirigente, Barbolini já foi comunicado da decisão mas ainda não decidiu se vai permanecer como treinador da seleção até Londres.

Barbolini foi massacrado pela mídia italiana depois da derrota humilhante que a Itália sofreu para o Brasil. Fora isso, a imprensa não perdoa até hoje o fato dele não ter levado Carolina Costragrande para o mundial do Japão 

Massimo Barbolini está no comando da seleção desde setembro de 2006. Sob seu comando, a Itália conquistou duas vezes o campeonato europeu e ganhou uma vez a Copa do mundo e a Copa dos campeões.          

Por Bruno Voloch às 15h49

22/11/2010

No duelo entre Fofão e Érika na Turquia, destaque para Sokolova

As jogadoras russas seguem valorizadas e brilhando no mundo inteiro.

Na primeira rodada do campeonato turco, jogaram Fenerbahce e Galatasaray, clássico de grande rivalidade.

O Fenerbahce de Fofão levou a melhor e ganhou por 3 a 0. Sokolova, companheira de Fofão, foi o destaque da partida com 17 pontos. Érika fez 7 pontos pelo Galatasary.

O técnico do Fenerbahce, José Roberto Guimarães, não relacionou para a partida a alemã Fürst. Apenas 3 estrangeiras podem atuar por jogo na Turquia. A croata Osmokrovic foi a terceira estrangeira em quadra e fez 8 pontos.

Ainda pela primeira rodada do campeonato, o Eczacibasi da oposta Darnel, maior pontuadora do mundial do Japão, ganhou por 3 a 1 do Belediyesi. Darnel fez 27 pontos e a norte-americana Bown não atuou. A italiana Del Core foi pouco utilizada pelo treinador Lorenzo Micelli.     

Por Bruno Voloch às 14h10

Dante e Walewska vencem na Rússia

A campeã olímpica Walewska começou bem a temporada 2010/2011 do campeonato russo.

O Odintsovo, atual campeão, derrotou por 3 sets a 2 o Novy Urengoy. Walewska teve boa participação na partida e jogou os 5 sets.

Gamova, estrela da seleção russa, esteve em quadra e ajudou o Dínamo Kazan na vitória por 3 a 0 sobre o Avtodor-Metar.

Carolina Costagrande marcou 6 pontos na vitória do Dínamo de Moscou contra o Proton. Goncharova fez 18 pontos.

O campeonato russo desta temporada está adotando o mesmo sistema de pontuação do italiano. Vitórias por 3 a 0 ou 3 a 1 valem 3 pontos e a vitória por 3 a 2 dá ao vencedor dois pontos e ao perdedor um ponto.

Pelo campeonato masculino, o Dínamo de Moscou do brasileiro Dante derrotou o Dínamo Yantar por 3 a 0. Dante ficou no banco e teve rápida participação no primeiro e segundo sets.

O Zenit lidera o campeonato com 11 pontos, dois a mais que o Dínamo de Moscou. O time dos norte-americanos Lloy Ball e Priddy venceu o Fakel por 3 a 0.   

Por Bruno Voloch às 13h52

Na bola, Mackenzie derrota Minas e conquista bi mineiro

Dessa vez não teve pancadaria e o jogo foi resolvido em quadra.

Após a confusão da segunda partida quando a cubana Herrera e a jogadora Wime do Mackenzie saíram no tapa, o terceiro jogo transcorreu normalmente.

Mesmo jogando no ginásio do Minas, o Mackenzie mostrou personalidade e virou a partida ganhando 3 sets a 1 com parciais de 22/25, 25/22, 25/23 e 25/18. 

Com o resultado, o Mackenzie conquistou o bicampeonato mineiro. A experiente central Lígia foi um dos destaques do Mackenzie na conquista. Agora a equipe dirigida por Ricardo Picinin se prepara para a estreia na superliga dia 27 contra o Uberlândia fora de casa.     

Por Bruno Voloch às 13h38

21/11/2010

Cubana apanha em quadra e leva tapa na cara na decisão do campeonato mineiro

Quem esteve presente no ginásio do Minas Tênis Clube garante que a cena, apesar de triste, foi impagável.

Minas e Mackenzie disputam o título da temporada 2010. A série estava 1 a 0 a favor do Mackenzie e o Minas empatou a decisão ao vencer o segundo jogo das finais por 3 sets a 2 diante da torcida.

O Minas ganhou de virada e fez 15/12 no quinto set. A cubana Herrera do Minas foi a destaque do jogo com 28 pontos. Mas Herrera não vai esquecer sua primeira temporada no vôlei brasileiro.

Inconformada com a derrota e a maneira como Herrera comemorou a vitória, a jogadora do Mackenzie Aline Siqueira, conhecida como Wime, partiu para cima de Herrera no final da partida.

Descontrolada, Wime deu um tapa na cara de Herrera. Uma grande confusão se formou na quadra e os treinadores das duas equipes foram obrigados a intervir.

Após a partida, Wime de desculpou com os torcedores e disse que não estava tolerando tamanha falta de respeito da cubana nas comemorações. Wime confessou que perdeu a cabeça e que não poderia dar esse tipo de exemplo aos mais jovens.

Wime condenou as atitudes de Herrera. Segundo a jogadora do Mackenzie, Herrera provocou o jogo inteiro, seja no ataque, bloqueio e também nas defesas.   

O terceiro jogo entre Minas e Mackenzie acontece neste domingo. Wime e Herrera estarão em quadra.   

Por Bruno Voloch às 14h31

Sobre o autor

Carioca, tem mais de 20 anos de profissão. Iniciou a carreira na extinta TV Manchete em 1988. Foram 6 anos até ser contrato pela Band Rio em 1994. No ano seguinte estava no Sportv/Globo onde foi idealizador e apresentador do programa Supervolley. Atuou como repórter de 1995 até 2003, e participou da cobertura dos campeonatos brasileiros de 1995 a 2003 em jogos ao vivo. Em 2004 se transferiu para o Bandsports, onde criou e comandou os programas "Roda de vôlei "e Linha de 3". Foi apresentador e comentarista de vôlei e basquete do canal. Em 2008 acumulou a função de diretor de jornalismo até setembro de 2009. De 2007 até 2009 foi colunista da rádio Bandnews FM do Rio e trabalhou nos jornais Lance e Jornal dos Sports. Participou da cobertura de 3 Copas do Mundo, 3 Olimpíadas e das últimas 3 últimas edições do Pan. Hoje é colunista do Jornal do Brasil e comenta futebol para a Bandnews FM/Rio de Janeiro e rádio Terê FM/Rio de Janeiro. É especialista em vôlei.

Sobre o blog

Opinião e informação sobre o que de mais relevante ocorre no vôlei no Brasil e no mundo.

Histórico

© 1996-2009 UOL - O melhor conteúdo. Todos os direitos reservados.