Blog do Bruno Voloch

31/12/2010

Gamova é eleita atleta do ano na Rússia. Jogadora sonha em ser mãe e quer o ouro em Londres 2012

O ano de 2010 ficará eternamente na memória da jogadora Ekaterina Gamova.

Após ter conquistado o bicampeonato mundial com a seleção em novembro no Japão e ter sido eleita a MVP da competição, Gamova termina 2010 ganhando mais um troféu.

A imprensa russa elegeu Gamova a atleta do ano no país. Sokolova, companheira de Gamova na seleção, ficou na sétima colocação. Cerca de 100 jornalistas especializados participaram da votação.

Gamova ficou emocionada com a homenagem e disse ao site da federação russa que ainda tem dois grandes objetivos na vida:

"Vou me dedicar muito na seleção e quero ganhar a medalha de ouro na olimpíada de Londres em 2012. Pode ser a minha última chance."

A jogadora arrancou aplausos dos jornalistas e confessou que sonha em ser mãe após os jogos olímpicos:

"Tudo na minha vida é planejado e ser mãe é o sonho de qualquer mulher".

Ekaterina Gamova tem contrato com o Dínamo Kazan até 2012. Aos 30 anos, é considerada a jogadora mais valiosa do mundo e ganhou por duas vezes a medalha de prata nas olimpíadas de 2000 e 2004.

Com mais de 200 partidas oficias pela seleção desde 1999, Gamova também esteve em quadra no título mundial da Rússia em 2006.

Por Bruno Voloch às 11h57

Sem Fofão, Fenerbahçe perde e é eliminado da Copa Turca

Caiu a invencibilidade do técnico José Roberto Guimarães no comando do Fenerbahçe da Turquia.

Após mais de duas horas de partida, o time perdeu de virada para o VakifGunes e acabou ficando de fora da terceira fase da Copa Turca.

O Fenerbahçe chegou a abrir 2 a 0 com 25/18 e 25/20. A oposta polonesa Glinka começou a fazer a diferença a partir do terceiro set vencido pelo VakifGunes por 25/21. A equipe dirigida por Zé Roberto vencia por 18 a 12 o quarto set mas tomou a virada e perdeu a parcial por 27/25.

No emocionante quinto set, o Fenerbahçe novamente teve a vitória nas mãos em diversas oportunidades. Abriu 8 a 4, mas permitiu a reação do VakifGunes que terminou vencendo por 18/16.

Vale ressaltar que por opção do treinador Zé Roberto a levantadora Fofão não jogou a partida. O regulamento da competição permite que apenas 3 estrangeiras atuem por jogo. Zé escalou Natasa Osmokrovic, Sokolova e a polonesa Skowronska.

Natasa foi a melhor jogadora do Fenerbahçe com 24 pontos. Skowronska marcou 23.

A Sérvia Jelena Nikolic e a croata Maja Poljak se destacaram pelo VakifGunes. Mas quem de fato desequilibrou nos momentos decisivos foi a oposta Glinka.

Além do VakifGunes, se classificaram para a terceira fase da competição, Eczacibasi, Ankaragücü, Bankasi, Nilufer Belediyespor, IBA Kimya, Pursaklar, Yelsiyurt.           

Por Bruno Voloch às 09h39

30/12/2010

Cuneo arrasa Trentino e ganha Supercopa da Itália

O ginásio PallaRuffini em Turim estava lotado com quase 5 mil pessoas. A expectativa era de um jogo equilibrado e sem favoritos entre Cuneo e Trentino.

Mas para surpresa geral somente um time jogou. Comandado pelo levantador sérvio Grbic, o time de Cuneo precisou apenas de 80 minutos para fazer 3 sets a 0 e ganhar pela quarta vez a Supercopa da Itália.

Cuneo volta a vencer a competição após 8 anos de jejum.

O bicampeão mundial Trentino esteve irreconhecível e foi facilmente envolvido pelo Cuneo. Mesmo rendendo abaixo do esperado, o búlgaro Kaziyski foi o melhor jogador do Trentino e marcou 11 pontos.

O russo Volkov que foi contrado junto ao Dínamo de Moscou fez um ponto a mais que Kaziyski e acabou sendo escolhido o MVP da competição. 

Por Bruno Voloch às 20h00

Valores éticos e morais foram abalados no episódio que envolve Rodrigão

Minha caixa postal está lotada.

Sinceramente não tenho tempo, muito menos obrigação de responder alguns e-mails que recebi em função da denúncia por mim postada e passada por um profissional do departamento jurídico da empresa que banca o vôlei masculino do Pinheiros.

Nessa hora chegam denúncias de todos os lados, gente defendendo e mais acusações. Tudo precisa ser apurado antes de ser publicado, se for o caso.  

Mas quem ainda precisa se explicar é Rodrigão. Li atentamente seu educado depoimento postado no Twitter.

Aliás, por falar em Twitter, Rodrigão deveria esquecer temporariamente essa ferramenta. Me lembro bem de algumas declarações infelizes dele via Twitter, como a provocação aos torcedores do Corítnhians e as críticas feitas a FIVB durante o mundial.

Mas cada um posta o que quiser e depois precisa arcar com as consequências. Em um dos episódios, Rodrigão teve a hombridade de se desculpar.   

Devo deixar claro que a denúncia partiu de um funcionário do departamento jurídico e poderá, não acredito, ser usada contra o jogador no caso das partes não chegarem ao um acordo em relação a rescisão de contrato. Fiz como de hábito, minha obrigação profissional de divulgar os fatos e deixar os leitores informados sobre o acontecimento.

Rodrigão deveria usar toda a habilidade e inteligência que mostrou até hoje nos clubes por onde passou e na seleção somente dentro de quadra. 

Só o fato de ter sido mandado embora do clube por não estar comprometido com o trabalho depõe e muita contra o atleta. As afirmações partiram do treinador do time que Rodrigão era contratado.

Não interessa se existem um, dois, três ou quatro jogadores empregados no Pinheiros através de Rodrigão. O que ele precisa entender e me parece que foi muito mal orientado, é que não pode em hipótese alguma ter seu nome envolvido com agentes e ser sócio de uma firma que empresaria jogadores.  

Rodrigão foi inocente. Se você é sócio de uma empresa de jogadores de vôlei e apresenta alguns atletas ao clube que está defendendo o que significa isso ?

Ninguém é idiota, muito menos uma empresa séria que investe milhões dentro do Pinheiros.

Rodrigão diz que se fosse verdade tal informação passada ao blog, o Pinheiros estaria repleto de jogadores da empresa. Bem nesse caso, Rodrigão e seu sócio foram inteligentes. Imagine só se eles colocassem a maioria dos atletas da firma no mesmo clube ?

Não teria cabimento e ficaria óbvia a parceria. A simples presença do líbero Felipe é sufuciente para 'desconfiar' do negócio.

Qualquer pessoa de bom senso e que não tivesse comprometida com a situação pensaria dessa forma. Não é necessário ser formado em direito ou ter alguma experiência no jornalismo para 'ler' a história.

O dono do négocio, segundo Rodrigão afirmou, é Douglas de Souza. Mas como o UOL apurou, no perfil do suposto dono, Rodrigão aparece como sócio e fundador.

Não tem como tirar a razão do juridico da empresa patrocinadora do Pinheiros.  

Rodrigão é ou era um cara conceituado no meio e o que deve admitir imediatamente é que errou ao ter seu nome associado a tal empresa. Ser cliente é uma coisa, sócio diferente. Se já tivesse abandonado a carreira, penso que está longe disso, poderia ser dono e empresariar quem quisesse.   

A maneira mais simples de Rodrigão sair limpo dessa história é desvincular seu nome da empresa.

Temos grandes exemplos de profissionais ligados ao esporte que se perderam justamente por esse motivo. A ética não permite e a credibilidade passa a ser questionada com inteira razão. 

Tomara que nesta passagem de ano Rodrigão reflita, reconheça ao menos que é um erro ter seu nome ligado a empresa e foque sua carreira apenas dentro de quadra. "Apresentar' na linguagem do esporte e dos empresários é 'indicar'. Caso de Felipe. 

Rodrigão deve explicações primeiramente a si mesmo. Havia essa necessidade de ser sócio de uma empresa que agencia jogadores ainda em atividade ?

Lógico que não.

O discurso foi bonito, era necessário, mas não convenceu. Nem sei exatamente se essa era a intenção, mas o fato de ser sócio e ter seu nome ligado compromete o moral e fere a carreira de Rodrigão. 

 

     

  

  

 

Por Bruno Voloch às 14h46

Má campanha no italiano e terceiro lugar no Top Volley derrubam técnico do Perugia

Não é só no Brasil a pressão por vitórias e títulos.

O tradicional Perugia da Itália não se deixou contagiar pelo clima de natal e as festas de fim de ano. O profissionalismo e a cobrança por conquistas falaram mais alto e a diretoria do clube decidiu demitir o treinador argentino Claudio Cuello.

Sem perder tempo, o Perugia convidou o sérvio Zoran Terzic que dirige a seleção do país. Terzic aceitou o convite e vai comandar o time italiano pelo menos até o fim da temporada 2011.

O Perugia é apenas o oitavo colocado no campeonato italiano com 6 pontos e somente duas vitórias em 5 partidas. A russa Olga Fateeva, a croata Sanja Popovic e a levantadora Giulia Rondon são os destaques do time.

A terceira colocação no Top Volley da Suíça mostrou toda a fragilidade da equipe. O Perugia perdeu de 3 a 0 para o Volei Futuro e ficou fora da decisão. Sem alternativas, os dirigentes optaram pela contratação de um novo treinador. 

Na história do clube, são 6 títulos da Copa Itália, duas conquistas de Champions League e em 2007 o Perugia ganhou o campeonato italiano pela última vez.  

 

 

 

Por Bruno Voloch às 11h49

'Primo rico', Vôlei Futuro esbanja luxo e passará réveillon em Paris

Quem pode, pode !

O elenco do Vôlei Futuro ganhou de presente após o vice-campeonato do Top Volley na Suíça, o direito de passar o réveillon em Paris.

Ao invés de voltar ao Brasil, dar descanso as jogadoras e se concentrar no retorno para a disputa da superliga, os dirigentes decidiram dar uma 'esticada' até Paris e virar o ano na linda cidade francesa. 

De fato trata-se de uma ótima opção e de gosto refinado.

Tomara que o ar francês faça bem ao time e em especial ao técnico William.

2010 está indo embora e não vai deixar saudades em Araçatuba. A perda do título estadual para o competente e digamos 'primo pobre' Pinheiros, não foi até hoje bem digerida pelo Vôlei Futuro.

Pelo que vimos até agora, pela forma como a coisa vem sendo administrada e por tudo que foi dito através da diretoria do clube, ser campeão não é a prioridade. 

No entanto, as jogadoras seguem tendo tudo do bom e do melhor.

Então... Boa curtição em Paris e feliz ano novo ao time do Vôlei Futuro. 

 

Por Bruno Voloch às 10h01

29/12/2010

Vôlei Futuro decepcionou na decisão e Paula Pequeno esteve abaixo da crítica

O Vôlei Futuro se superou.

O Top Volley era o torneio ideal para o time paulista finalmente vencer uma competição e ganhar moral para a sequência da superliga. Era. O time brasileiro jogou fora essa oportunidade ao ser derrotado na decisão.

Aliás, o Vôlei Futuro conseguiu a proeza de perder dois jogos no mesmo dia em função do regulamento do torneio. Acho até que William agiu corretamente ao escalar as reservas contra a equipe da Holanda. Seria incoerente usar as titulares que horas mais tarde estariam decidindo o título.

Com o devido respeito que o Volero Zurich merece, afinal foi campeão, esse time da Suíça não tem bola nunca para ganhar do Vôlei Futuro. 

Pior é que ganhou.

O vôlei da Suíça não tem tradição alguma e quase todas as vezes que equipes brasileiras participaram do torneio, venceram. Foi assim com Osasco e o Rio de Janeiro.

A atuação do Vôlei Futuro na final foi muito ruim. A derrota no segundo set foi inacreditável devido a diferença no placar. Mesmo jogando um voleibol burocrático, a vitória no terceiro e também no quarto set deu a falsa impressão de que o Vôlei Futuro poderia virar o jogo e ser finalmente campeão.

Que nada.

O time voltou a cometer erros bisonhos na recepção e parecia sem forças no ataque no quinto set. Parecia não, as jogadoras não conseguiam derrubar a bola na quadra adversária, exceção feita à Tandara. Por sinal, Tandara foi longe a jogadora mais lúcida do time na final e também no torneio.  

Paula Pequeno esteve abaixo da crítica. No ataque não funcionou, se salvou com alguns pontos de bloqueio e um bom posicionamento na defesa. Só. 

Efetivamente ainda está muito longe do que pode render. Paula tem potencial de sobra, mas desde a sua volta do vôlei europeu não é a mesma jogadora. Sua atuação nessa final não condiz com sua história no esporte. De uma jogadora como Paula a gente pode ou deveria esperar sempre algo mais. Paula tinha que assumir a responsabilidade, chamar o jogo e resolver no ataque. Não fez nada disso.

Paula está fora de forma e mal fisicamente.  

Evidente que jogar em cima de Paula a responsabilidade de mais esse fracasso é injusto. O time ganha e o time perde, mas olhando a equipe que atuou na decisão, de quem mais poderíamos cobrar ?

Elis ?

Tandara ?

Fernanda ?

Evidente que não.

O que são aquelas duas centrais ?

Joycinha talvez, mas Paula é e será sempre a referência no ataque.   

O Vôlei Futuro segue devendo, segue pressionado por títulos e segue sem uma jogadora de referência.   

 

 

 

 

 

 

Por Bruno Voloch às 20h52

Rodrigão é acusado de agenciar jogadores e infringir estatuto

Enquanto a situação de Marcelinho caminha para uma rescisão de contrato amigável, o caso de Rodrigão é mais complicado.

Os responsáveis pelo departamento de vôlei do Pinheiros e mais a comissão técnica exigiram a demissão do jogador.

Embora a empresa que patrocina o clube não interfira diretamente nas contratações e escalação do time, a mesma exige que o Pinheiros preste contas todos os meses e explique as decisões tomadas.

O blog teve acesso e conversou rapidamente com um profissional ligado ao departamento jurídico da empresa. 

O Pinheiros, segundo consta, tem agido corretamente e já explicou aos representantes da empresa os motivos pelos quais Marcelinho e principalmente Rodrigão foram dispensados.

Por causa das festas de fim de ano, as reuniões não aconteceram e estão marcadas para primeira semana de janeiro.

Embora esteja de 'férias', o departamento jurícido da empresa já está estudando o caso e não aprovou a conduta profissional de Rodrigão. A empresa tem conhecimento de que Rodrigão, através de sua firma, está agenciando jogadores e ainda quando atleta do Pinheiros buscava patrocinio para o time que pretende ou pretendia formar em Santos.

O mais grave é que o estatuto de agente da CBV não permite que jogadores em atividade, treinadores ou diretores de clubes exerçam a função. Rodrigão, segundo a empresa, tem trabalhado como agente.

"Isso não é aceitável para um atleta", limitou-se a dizer o profissional ligado a empresa que patrocina o Pinheiros.

O blog tentou falar com Rodrigão mas não obteve sucesso. 

 

 

 

  

Por Bruno Voloch às 09h40

28/12/2010

Sokolova deixa seleção russa e está fora da temporada 2011

O ano de 2010 termina com uma péssima noticia para os amantes do esporte. 

A principal jogadora da seleção da Rússia, Lioubov Sokolova, anunciou que não jogará pela seleção na temporada de 2011. Sokolova alegou cansaço, disse que pretende se dedicar aos familiares e ao Fenerbahçe da Turquia no ano que vem.

Craque da seleção, Sokolova admitiu que ficar fora da temporada 2011 pela seleção foi uma opção pessoal.

A jogadora no entanto já conversou com o treinador Vladimir Kuzyutkin e afirmou que para 2012 estará à disposição da comissão técnica.

Kuzyutkin renovou contrato recentemente atendendo pedido das principais jogadoras da seleção, entre elas Sokolova.

Se a Rússia conseguir a classificação para os jogos olímpicos de Londres em 2012, Liubov Sokolova irá disputar a quinta olimpíada da carreira. Aos 19 Sokolova já estava no elenco da Rússia que participou da olimpíada de Atlanta em 1996.

O ano de 2010 foi perfeito e um dos mais vitoriosos na carreira da atelta. Sokolova ganhou o campeonato mundial com a seleção no Japão e o mundial de clubes pelo Fenerbahçe no Qatar.

Sokolova está com 33 anos, fez mais de 200 partidas pela seleção e o único título que ainda não tem é justamente o ouro olímpico.  

    

Por Bruno Voloch às 19h58

Mesmo com situação ainda indefinida, Europa deve ser o destino de Marcelinho

A situação do levantador Marcelinho segue indefinida.

O departamento jurídico da empresa que patrocina o vôlei masculino do Pinheiros só voltará as atividades no próximo dia 3 de janeiro. 

Existem dois caminhos para o caso: Um deles, o menos provável, seria o de Marcelinho continuar com seu contrato em vigor, receber os salários normalmente até abril de 2012 e não atuar por nenhuma equipe do Brasil e do exterior durante esse período. 

Marcelinho seguiria 'empregado', mas sem poder exercer a profissão uma vez que foi dispensado pelo treinador Mauro Grasso.

No Pinheiros, Marcelinho não joga mais enquanto Mauro Grasso for o treinador.

Na semana que vem os representantes das duas partes tentarão um acordo amigável. Como foi dispensado, Marcelinho tem juridicamente o direito de receber ainda uma quantia significativa da empresa que hoje patrocina o clube.

Numa eventual rescisão de contrato, os valores seriam discutidos e caso as partes se acertem, Marcelinho estaria liberado.

A Europa então aparece como destino do jogador. Marcelinho jogou durante muito tempo na Grécia defendendo o Panathinaikos e teve rápida passagem pelo Palermo da Itália no final da década de 90.

Mas caso não é tão simples como aparenta ser. O mercado europeu, assim como o de vários continentes, está praticamente fechado e as equipes com seus elencos definidos para a temporada 2010/2011. Fora isso, existem algumas federações que limitam o número de estrangeiros por time, o que dificultaria ainda mais a situação de Marcelinho.

Na Itália e principalmente na Grécia, Marcelinho se destacou e deixou saudades. O jogador tem portas abertas nos dois países e embora tenha tido problemas recentes em Joiville com Giovane Gávio e agora no Pinheiros com Mauro Graso, a tendência é que encontre espaço ainda pelo continente europeu.   

Com as dificuldades previstas e a dura realidade do mercado, de início pode ser que Marcelinho tenha que se contentar em jogar num time de nível médio, mas para 2011/2012, Marcelinho voltaria a atuar em uma equipe de ponta.   

 

   

   

Por Bruno Voloch às 10h38

Twitter, Polaco e declarações infundadas. Pinheiros segue à deriva

O Pinheiros segue dando mostras que está perdido e absolutamente sem rumo.

Via Twitter, o clube disse ter havido um 'pequeno mal-entendido' na notícia postada pelo blog tratando da liberação do líbero Polaco.

Mal-entendido é ótimo.

Não existe mal-entendido algum no caso.

Mauro Grasso ficou insatisfeito com as atuações e o rendimento do jogador nos últimos jogos e decidiu barrar o atleta. Simples. Ele não faz parte dos planos da comissão técnica.

Felipe ganhou a posição e salvo algum problema de contusão do atual titular, Polaco não deverá ser mais usado por Mauro até o encerramento da superliga.

A tal declaração via Twitter complicou ainda mais a vida do treinador Mauro Grasso. Para não ter que desmentir a assessoria do clube, pode até ser que numa partida sem importância para a classificação do time, o treinador use Polaco como forma de represália contra as últimas notícias e a crise que assola o clube.  

É evidente que Polaco segue no elenco e treinando com o grupo. Ninguém disse o contrário.

Mas são duas coisas bem distintas. Uma é o jogador estar treinando, outra é fazer parte dos planos do técnico e jogar como titular.

Com tantos problemas internos, o Pinheiros optou em manter Polaco no grupo e evitar mais uma rescisão de contrato como nos casos de Marcelinho e Rodrigão.

Por Bruno Voloch às 09h20

27/12/2010

Pinheiros alega má conduta de Rodrigão e ignora pedido do próprio patrocinador

Uma queda de braço entre patrocinador e clube marcou a saída de Rodrigão do Pinheiros. 

O patrocinador tentou de todas as maneiras segurar Rodrigão, mas não conseguiu. Clube e treinador exigiram a saída do atleta. 

A idéia dos dirigentes do Pinheiros já era dispensar Rodrigão logo após o encerramento da superliga 2009/2010. O jogador só foi mantido porque o patrocinador pediu que o atleta cumprisse normalmente o contrato. Alguns episódios recentes e o mau comportamento de Rodrigão dentro e fora de quadra foram determinantes na demissão do jogador.

Pessoas ligadas à diretoria do Pinheiros e ao vôlei masculino reclamavam constantemente do comportamento 'agressivo' de Rodrigão nos treinos e nos jogos. Um membro da comissão técnica, que pediu para não ter seu nome revelado, afirmou que Rodrigão reclamava de tudo e de todos causando um mal-estar completo.

Os comentários nada políticos de Rodrigão via twitter também estavam desagradando aos dirigentes.

O empenho do jogador na formação de uma equipe de vôlei em Santos para a temporada 2011/2012 foi outro motivo que deixou o Pinheiros insatisfeito. A atitude de Rodrigão foi considerada antiética.

O jogador estaria priorizando o projeto, já tinha se reunido com a prefeitura local, com o clube e no contrato do atleta havia uma cláusula que permitiria Rodrigão se transferir caso o negócio se confirmasse.

Ainda essa semana, clube e patrocinador vão se reunir com o representante de Rodrigão, Jorge Assef, para definir a forma de rescisão do contrato. 

Por Bruno Voloch às 07h58

26/12/2010

Sem descanso, Fenerbahçe vence a primeira após título mundial

O Fenerbahçe da Turquia teve pouco tempo para comemorar a conquista do inédito título mundial.

O campeonato foi conquistado na última terça-feira em Doha no Qatar, no dia seguinte as jogadoras e a comissão técnica foram recebidos como heróis em Istambul e a equipe já voltou a participar do campeonato nacional.

Jogando fora de casa, o Fenerbahçe derrotou o VakifGunes por 3 sets a 1. Fofão e a alemã Fürst não participaram da partida e Zé Roberto usou a croata Natasa, a russa Sokolova e também a polonesa Skowronska.

A MVP do mundial de clubes, Skowronska, foi a maior pontuadora do jogo com 18 pontos.

O resultado manteve o Fenerbahçe invicto no campeonato. A liderança está com o Eczacibasi de Francia e Darnel que soma 18 pontos.  

Por Bruno Voloch às 10h14

Campeão mundial com a Rússia, Kuzyutkin renova contrato com a seleção feminina

Vladimir Kuzyutkin fica no comando da seleção feminina da Rússia por pelo menos mais um ano.

Após uma reunião com os dirigentes da federação, o treinador renovou seu contrato até o fim do ano que vem. Kuzyutkin contou com o apoio das principais jogadoras da seleção que exigiam a permanência dele como técnico da seleção.

Kuzyutkin está com 63 anos e estreou no comando da seleção em julho de 2009 contra a Coreia. O principal objetivo do treinador em 2011 será classificar a Rússia para a olimpíada de Londres em 2012.

Em 2011 a Rússia também disputará o europeu de seleções, título que não ganha desde 2001.      

Por Bruno Voloch às 09h53

Kozuch supera Fürst e é eleita atleta do ano na Alemanha

Margareta Kozuch foi escolhida a atleta do ano de 2010 na Alemanha.

A jogadora do Odintsovo da Rússia superou na votação a central Christiane Fürst que atua no Fenerbahce da Turquia.

Kozuch teve 31% dos votos contra 27 de Fürst. Curiosamente no ano passado as posições foram invertidas e Fürst, atuando na época pelo Bergamo, acabou sendo a eleita.

Kozuch está com 24 anos e deixou o Novara da Itália para ir jogar na Rússia. A jogadora defende a seleção desde 2005 e sua maior conquista foi a medalha de bronze no Grand Prix de 2009. No mesmo ano foi a maior pontuadora do campeonato europeu.

A votação acontece desde 1979 e Angelina Grün é a maior vencedora do prêmio. Ela foi eleita 9 vezes seguidas a principal jogadora da Alemanha entre 2000 e 2009.  

 

Por Bruno Voloch às 09h36

Sobre o autor

Carioca, tem mais de 20 anos de profissão. Iniciou a carreira na extinta TV Manchete em 1988. Foram 6 anos até ser contrato pela Band Rio em 1994. No ano seguinte estava no Sportv/Globo onde foi idealizador e apresentador do programa Supervolley. Atuou como repórter de 1995 até 2003, e participou da cobertura dos campeonatos brasileiros de 1995 a 2003 em jogos ao vivo. Em 2004 se transferiu para o Bandsports, onde criou e comandou os programas "Roda de vôlei "e Linha de 3". Foi apresentador e comentarista de vôlei e basquete do canal. Em 2008 acumulou a função de diretor de jornalismo até setembro de 2009. De 2007 até 2009 foi colunista da rádio Bandnews FM do Rio e trabalhou nos jornais Lance e Jornal dos Sports. Participou da cobertura de 3 Copas do Mundo, 3 Olimpíadas e das últimas 3 últimas edições do Pan. Hoje é colunista do Jornal do Brasil e comenta futebol para a Bandnews FM/Rio de Janeiro e rádio Terê FM/Rio de Janeiro. É especialista em vôlei.

Sobre o blog

Opinião e informação sobre o que de mais relevante ocorre no vôlei no Brasil e no mundo.

Histórico

© 1996-2009 UOL - O melhor conteúdo. Todos os direitos reservados.